Kulonga exibe peça em Maputo

Roque Silva |
20 de Junho, 2015

Fotografia: DR

A companhia Kulonga apresenta amanhã, no espaço cultural Casa Velha, em Maputo, no encerramento da 12ª edição do Festival Internacional de Teatro de Inverno (FITI), a peça “Loucura de Barriga Vazia”.

A participação do grupo angolano insere-se no projecto “Ponte”, iniciativa da associação Globo Dikulo e do grupo moçambicano Girassol destinado à troca de experiências entre companhias de ambos os países.
O drama, de 50 minutos, retrata a vida de um actor que se sente incompreendido pela mulher e a sociedade.
Afonso “Amankwá”, que também é autor e encenador, interpreta o papel do jovem dividido entre o amor pela mulher, papel a cargo de Letícia Kambovo, e a paixão pelo teatro. Na peça, a mulher quer que o marido abandone o sonho de ser actor “porque o teatro não dá dinheiro”. “O objectivo da peça é mostrar as dificuldades dos artistas em Angola, neste caso os do teatro”, disse o autor.
Afonso Amankwá salientou haver muitos criadores angolanos nesta situação desconhecida de muitos e que viver da arte requer sacrifícios, pois o artista não ganha o suficiente para sustentar a família.
O grupo com esta peça arrebatou troféus em cinco categorias no V Festival Internacional de Teatro de Ubá, que se realiza em Minas Gerais, no Brasil: 3º classificado da competição, Melhor Texto, Melhor Espectáculo de Drama, e Letícia Kambovo, uma das personagens da peça, Melhor Actriz de Drama e Melhor Actriz em Competição.
O grupo e o actor Garcia Cordeiro que vai participar em seminários de teatro ministrados por encenadores e dramaturgos moçambicanos, partiram ontem para o Maputo. O Colectivo de Arte Tic Tac, outro representante angolano no festival, apresenta hoje à noite no mesmo espaço o espectáculo “A Força do Lukano”.
A peça sobre “A ascensão do Império Lunda” é encenada com base em textos de Pepetela, Castro Soromenho e Manzambe Fernandes. O grupo de teatro Ombaka, de Benguela, exibiu no início do mês, também  no mesmo espaço, a peça “A Lei”.
O festival, que se realiza desde 30 de Maio, na capital moçambicana, tem o objectivo de divulgar o trabalho dos grupos culturais amadores de Moçambique e de Angola, formar intérpretes de teatro e dança e impulsionar o associativismo cultural. A participação dos grupos angolanos é apoiada pelo Ministério da Cultura.
No âmbito do projecto “Ponte”, as companhias moçambicanas Girassol, Lareira e Hopalangatana já apresentaram espectáculos dramáticos em Angola.

capa do dia

Get Adobe Flash player




ARTIGOS

MULTIMÉDIA