Vida de Hoji ya Henda levada ao palco de teatro

Manuel Albano |
29 de Agosto, 2015

Fotografia: Kindala Manuel

O colectivo Diassonama Teatro estreia amanhã, às 20h00, na Liga Africana, em Luanda, a peça “Hoji ya Henda”, adaptada do livro de Dino Matross “A PIDE na Rota de José Mendes de Carvalho”.

O encenador do grupo, Elias Nunda, disse ao Jornal de Angola que a peça, com duração de uma hora, narra de forma resumida o percurso histórico e influência política e social de Hoji ya Henda até à sua morte.
O exemplo de bravura e outras qualidades pessoais de Hoji ya Henda, símbolo da juventude angolana, são enaltecidas na encenação da época em que vigorava a luta pela independência de Angola contra um sistema colonial português.
A peça é interpretada por seis actores, que representam os personagens Henda e Guerra que contam as circunstâncias em que José Mendes de Carvalho foi morto em combate. Segundo Elias Nunda, a história da morte de Hoji ya Henda encerra alguma confusão, mesmo quando narrada por antigos companheiros de luta, porque Henda não se conformava com a tragédia do comandante: “o idoso tem algumas visões durante a noite e dialoga com os espíritos, o que leva os vizinhos pensar tenha problemas mentais”.
A história de Hoji ya Henda, pouco conhecida pela juventude, levou o grupo de teatro a criar a peça, para despertar o interesse dos espectadores.
O colectivo Diassonama, terceiro classificado do Prémio Cidade de Luanda em 2004, com a obra “O Santo Luandino”, foi fundado em 1999 por jovens da Paróquia de São Joaquim. De 1989 a 1999, o grupo designava-se apenas Diassonama e dedicava-se exclusivamente ao teatro comunitário. A sua primeira obra foi “O Mulherengo”.
Ao longo de 16 anos contribuiu para o desenvolvimento e crescimento do teatro angolano, encenando peças que apelam à paz, à harmonia social e à preservação dos hábitos e costumes de Angola.

capa do dia

Get Adobe Flash player




ARTIGOS

MULTIMÉDIA