Cultura

Teté Alhinho apresenta disco no palco do B.Leza em Lisboa

A cantora e compositora cabo-verdiana Teté Alhinho apresenta hoje no B.Leza, em Lisboa, o seu mais recente álbum, “Mornas ao piano”, que definiu como “um regresso ao colo da música cabo-verdiana”.


O álbum, que marca o seu regresso aos discos em nome próprio depois de “Voz” (2004), foi editado na passada sexta-feira e resultou, em parte, de uma operação de angariação de fundos (“crowdfunding”).
“Com este CD, produzido por mim, com apoio de Mónica Jardim, regresso ao ‘colo’ da música de Cabo Verde”, afirmou à imprensa a cantora de 60 anos.
Reivindicando-se “parte da alma cabo-verdiana”, a cantora propõe, “num formato simples, recuperar alguns temas” que marcaram a sua juventude e também algumas canções inéditas.
“Além de mornas, que são maioritárias, este CD tem um batuque de Mário Lúcio, uma coladera e uma mazurca, além de temas compostos por mim”, afirmou Teté Alhinho, que resgatou mornas de Daniel Mariano, Paulinho Vieira, Jacinto Estrela e B. Leza.
Teté Alhinho assina a composição “Muchacho Loco”, da poetisa cubana Carilda Oliver Labra, e de dois poemas de Mário Lúcio, “N’tem um amor” e “P’Alta”, este último uma homenagem à mãe da artista.
Teté Alhinho assina ainda a letra e música de Lua bonita e, entre os inéditos, há um com letra de Hélio Cruz e música de Antero Simas.
O disco conta, entre outros, com as participações dos músicos Ricardo de Deus, ao piano, Francelino Silva, que faz parte da Orquestra Nacional de Cabo Verde, no contrabaixo, e Rob Leonardo, na bateria e percussão.
No palco do B. Leza, no Cais do Sodré, em Lisboa, Teté Alhinho é acompanhada ao piano por Moisés Ramos, no contrabaixo por Carlos Barretto, nas percussões por Iuri Oliveira, e na guitarra acústica e cavaquinho por Paló. O álbum “Voz” saiu em 2004, ao qual se sucedeu o single “Mi ma nha San Jon”, editado no mesmo ano, enquanto pelo meio, em 2008, gravou com a filha, Sara Alhinho, o álbum “Gerassons”.
Teté Alhinho é autora e compositora de mais de 50 canções, entre as quais “Dia T’chuva Bem”, “A téma, Chibinho”, “C’amor”, “Coladera nobo”, “Conversa adiada”, “Desabafo”, “Dia qui’m vira”, “Mudjer” e “Terra verde”. Ela começou a cantar ainda jovem tendo feito parte, entre outros, dos grupos A Voz de Cabo Verde, Ritmos Caboverdianos, Os Tubarões, Bulimundo e Simentera.

SAPO Angola

Tempo

Multimédia