Cultura

Tradição cockwe em documentário

Os aspectos relevantes da cultura cockwe, já explorados no espectáculo de dança “Peças para Uma Sombra Iniciada e Outros Rituais Mais ou Menos”, da Companhia de Dança Contemporânea de Angola (CDCA), podem ser vistos num documentário, foi apresentado na terça-feira, às 18h30, no Camões - Centro Cultural Português, em Luanda.

Fotografia: Dr

Além do filme, intitulado “Outros Rituais Mais ou Menos”, da autoria do realizador Jorge António, vai ser vendido um DVD sobre a produção, gravado com base em entrevistas de campo e trabalhos de pesquisa sobre a cultura cokwe.
O objectivo, como explicou o realizador, é mostrar os traços relevantes de uma cultura, tendo o “corpo”, com as suas distintas significações e contextos, como ponto de partida. Para a cerimónia de exibição, foi também convidada a directora artística da CDCA, Ana Clara Guerra Marques.
O espectáculo, estreado no dia 18 de Setembro de 2009, no Nacional Cine Teatro de Luanda, marcou, na altura, o reinício das temporadas da CDCA.
Nascido em Lisboa, no dia 8 de Junho de 1966, Jorge António iniciou a actividade de cine-clubista, ainda no ensino secundário. Na altura, produziu uma dezena de filmes amadores.
Em 1985, ingressou na Escola Superior de Teatro e Cinema de Lisboa, onde se licenciou, especializando-se na área de Produção. Desde então, esteve sempre ligado ao cinema e audiovisuais. Colaborou em mais de quatro dezenas de produções, entre as quais se destaca “Filha da Mãe”, “Non, ou a Vã Glória de Mandar”, “Lusitânia Expresso”, “Suspiros de Espana”, “Morte no Estádio” e “The Boy and The Sea”.
Participou, em Portugal e no estrangeiro, em encontros e conferências sobre Cinema. Ao longo destes anos, tem colaborado na edição de obras e revistas sobre sétima arte. Realizou o primeiro filme, com 24 anos e tornou-se o mais jovem realizador português na época. Em 1991, gravou a curta-metragem “O Funeral” e, em 1993, durante o período da guerra em Angola, a longa-metragem “O Miradouro da Lua”.
Entre 2007 e 2009, Jorge António foi consultor para assuntos internacionais do Instituto Angolano de Cinema, Audiovisual e Multimédia e membro da Comissão Organizadora do I Festival Internacional de Cinema de Luanda (FIC Luanda), em 2008.
Desde 1995, foi produtor executivo da Companhia de Dança Contemporânea de Angola, organizando e produzindo seminários, espectáculos e digressões em Angola, Portugal, Polónia, Índia, Gabão, Camarões, Congo, Senegal, China, Coreia do Sul, Cuba, Israel, Espanha, Itália e Brasil.

Tempo

Multimédia