Cultura

Tradição e vida conjugal transportada para o palco

Manuel Albano |

O espectáculo “Sozinha em casa” do grupo Ketua Nzambi é exibido na sexta-feira, às 20h00, no Teatro Elinga, na abertura das sessões semanais, inserido na segunda edição do Circuito Internacional de Teatro, a  decorrer até 17 de Setembro, em Luanda.

Adesão do público é dos pontos altos do festival que é realizado em três salas de espectáculo
Fotografia: Kindala Manuel | Edições Novembro

A peça aborda durante uma hora a história dramática de um casal Rafael e Raquel, que durante muitos anos vivem várias vicissitudes. Raquel sofre durante anos os maus tratos do seu marido, que por ciúmes não deixa a amada trabalhar, muito menos sair de casa.
Coagida de poder ter uma vida socialmente activa e normal, Raquel por imposição do marido, Rafael, é impedida de poder ter amigas, visitar familiares ou mesmo ir às compras e ao salão de beleza.
Inseguro e com receio de a perder pelo facto de a mulher ser muito cobiçada, Rafael vê a sua esposa libertar-se da angústia de um casamento fracassado sem amor, nem respeito ao próximo, quando conhece acidentalmente por telefone o jovem Rui.
No decorrer da conversa, Rui apercebe-se que houve um engano na ligação. Durante o diálogo, apercebe-se da aflição de Raquel que aproveitou o momento para desabafar e contar as vicissitudes que tem vivido ao longo desses anos no seu lar.
Neste contexto, a jovem decide aceitar o emprego oferecido pela irmã, procura mudar de atitude perante as atrocidades do marido e decide então pedir a separação. De acordo com o director artístico, Alberto Manuel “Docas”, a peça procura trazer para reflexão problemas sérios e actuais que muitos casais enfrentam diariamente.
A peça, realçou o director artístico, aborda também a importância de se dar maior dignidade à mulher como fonte da vida, companheira e o principal alicerce de um família. “A mulher é o nosso suporte e precisa de ser mais valorizada e respeitada por tudo o que elas representam nas sociedades.” O grupo Ketua Nzambi existe desde 2006 e foi fundado na Igreja Assembleia de Deus Pentecostal no bairro Prenda. É composto por oito integrantes e tem no seu palmarés como  peças de maior relevância: “Face de Luanda”, “Lema da escravatura”, “Filhos inocentes” e “Sozinha em casa”.
 
Estatística do circuito

O Circuito Internacional de Teatro (CIT) já realizou, até à presente data, em três salas de  espectáculo, designadamente Centro Cultural Português, Teatro Elinga e Liga Africana, um total de 17 espectáculos com grupos nacionais e internacionais, assistidos por cerca de 5.215 espectadores.
Para esta edição do CIT, está prevista a participação de um total de 50 grupos e companhias de teatro, sendo 40 nacionais e dez estrangeiros, oriundos do Brasil, Moçambique e Portugal, com dois cada, Cuba, Itália, Cabo Verde e França, com um.
Os ingressos para os espectáculos de teatro custam dois mil kwanzas, individual, e seis mil, para seis membros da mesma família. A iniciativa visa incentivar o intercâmbio entre grupos e companhias de teatro de Angola e de outros países, bem como valorizar o processo de criação das artes cénicas e estimular a produção do teatro.
Este ano, a iniciativa conta com o apoio da operadora de telefonia móvel Unitel, razão pela qual a terceira edição do circuito, no próximo ano, vai ser realizada sob o lema “CIT - stop malária”.

Tempo

Multimédia