Trajecto de Óscar Ribas debatido em Menongue


3 de Julho, 2015

Fotografia: Paulino Damião

A vida e obra do escritor Óscar Ribas está a ser debatida desde ontem, em Menongue, por estudantes do Cuando Cubango, numa iniciativa conjunta entre a direcção da Cultura e a Universidade Óscar Ribas.

Além da obra do escritor angolano, autor de “Misoso” e “Sunguilando”, os estudantes do Instituto Médio de Administração e Gestão 23 de Março, debatem também sobre a simbologia da mulher angolana. Hoje, o mesmo tema é abordado com os estudantes do Instituto Médio de Saúde.
Óscar Ribas foi um dos escritores angolanos que muito valorizou e promoveu através das letras o imaginário e as tradições orais. Escritor prestigiado nos meios literários nacionais e internacionais, membro da União de Escritores Angolanos (UEA), foi galardoado com os prémios Margaret Wrong (1952), Etnografia do Instituto de Angola (1959) e Monsenhor Alves da Cunha (1964).
O escritor foi distinguido, em 2000, com o Prémio Nacional de Cultura e Artes, nas categorias de literatura e investigação em Ciências Sociais e Humanas, outorgado pelo Ministério da Cultura.
Na bibliografia do escritor Óscar Ribas constam diversas obras (esgotadas no mercado), entre as quais “Flores e Espinhos”, “Ecos da minha Terra”, “Ilundo - Espíritos e Ritos angolanos”, “Tudo isto aconteceu - Romance autobiográfico”, “Cultuando as musas - poesia”, “Uanga” e “Dicionário de Regionalismos Angolanos”.  Na opinião de críticos e especialistas, a obra de Óscar Ribas é potencialmente criadora, pelo que pode e deve dar origem a outras obras, novos estudos e caminhos de conhecimento humano.
Escritor, poeta, ensaísta jornalista, Óscar Ribas nasceu no dia 17 de Agosto de 1909, em Luanda, e faleceu a 19 de Junho de 2004, em Cascais, Portugal.

capa do dia

Get Adobe Flash player




ARTIGOS

MULTIMÉDIA