Cultura

UNESCO classifica o Cais do Valongo

A UNESCO incluiu na sua lista do Património Mundial o sítio arqueológico do Cais do Valongo, que simboliza a chegada em massa e o martírio dos escravos africanos traficados para o continente sul-americano.

Principal porto de entrada de escravos no Brasil foi classificado
Fotografia: Edições Novembro

O Comité do Património Mundial, reunido desde o passado dia 2 até hoje, em Cracóvia, na Polónia, evocou a memória de cerca de 900.000 africanos desembarcados no cais de pedra construído a partir de 1811 no Rio de Janeiro.
Para a historiadora Kátia Bogea, presidente do Instituto do Património Histórico e Artístico do Brasil, o Valongo merece estar “junto de lugares de memória como a cidade japonesa de Hiroshima ou o campo de concentração nazista de Auschwitz-Birkenau”. A protecção do património, acrescentou Kátia Bogea, “obriga-nos a lembrar essas partes da História da humanidade que é proibido esquecer”.
“É o reconhecimento da dor de uma tragédia, da necessidade de reparação em nome dos milhões de africanos que foram escravizados para proporcionar a mão de obra que construiu” o continente, afirmou Milton Guran.

Tempo

Multimédia