Cultura

União Mundo da Ilha vence carnaval em Luanda

Matadi Makola

O União Mundo da Ilha é o vencedor, na classe A, do Carnaval de Luanda, com um total de 590 pontos, permanecendo na história como o mais titulado, 14 troféus.

Fotografia: Agostinho Narciso- Ediçôes Novembro

Depois dos desfiles, de 22 a 24, na Marginal da Praia do Bispo, ontem, na LAASP, deu-se a abertura das urnas e consequente leitura pública dos resultados.
“Estamos muito felizes. É bem verdade que este título foi resultado de muito trabalho, e não foi fácil, porque revimos as falhas das edições anteriores e procuramos corrigi-las este ano. Foi assim que conseguimos convencer o júri”, disse o presidente do União Mundo da Ilha, António Custódio, no momento em que foi anunciado como o vencedor da classe A.
Para a próxima edição, António Custódio prometeu prestar maior atenção à alegoria, por notar que ainda não é vista com a devida importância. “O grupo gastou muito dinheiro na alegoria, mas não foi o suficiente. Temos também de rever melhor o entrosamento na coreografia, por a música e a dança serem categorias importantes”, disse.
O União Njinga Mbandi, liderado por Toni Mulato, conseguiu o segundo lugar este ano, ao obter 576 pontos. Terceiro da edição passada, o grupo, que vem de Viana, é singular pelo facto de ser o único a representar o estilo de dança cabecinha no Carnaval de Luanda.
Com 559 pontos, o terceiro lugar foi ocupado pelo União Recreativo do Kilamba, oriundo do Distrito Urbano do Rangel, que nesta edição do Carnaval dançou a defender o título. Liderado por Poly da Rocha, o grupo conseguiu vencer consecutivamente as duas últimas edições do Entrudo.
O presidente da mesa do Júri da Classe A, o músico Santocas, reconheceu que apesar dos vários constrangimentos por razão dos atrasos dos subsídios, os grupos conseguiram dar a volta por cima e dar azo à criatividade.
“Foi um bom Carnaval. Os grupos consentiram sacrifícios mas melhoraram em termos de espectáculo. Tenho a impressão que a próxima edição será ainda mais interessante”, disse Santocas.

Outras classes
Já na classe B, o vencedor foi o União Etu Mudietu, do Distrito Urbano do Sambizanga, que conseguiu 602 pontos. A este grupo também recaiu o cobiçado prémio BAI Canção, que visa premiar a melhor canção de cada edição.
“O grupo está de parabéns e o Sambizanga no geral. Foi muito esforço. Sem apoio de ninguém, tivemos que contrair dívidas para conseguir dançar. Dedicamos a vitória ao comandante do grupo ”, disse Osvaldo Pinto, o responsável.
Quanto ao destino a dar ao valor do prémio, Osvaldo Pinto reconheceu que a carteira de necessidades do grupo está cheia e esperam poder investir na aquisição de uma sede ou afinar todos os pormenores técnicos para o próximo ano competirem com dignidade na classe A.
Em segundo lugar, na classe B, ficou o União Sagrada Esperança, do Rangel, com um total de 554 pontos, e em terceiro o União Giza, que conseguiu 532 pontos.
Na classe infantil, o Viveiro do Ninga Mbande conseguiu o terceiro título consecutivo, ao vencer esta edição com 580 pontos. De seguida ficou o Cassules do Mundo da Ilha, com 539 pontos, e em terceiro o Cassules Sagrada Esperança, com 509 pontos.

Balanço
Quanto ao balanço destes quatro dias de folia, o director do Gabinete Provincial da Cultura, Manuel Gonçalves, adiantou que vai ser feito um relatório no culminar de todas as actividades do Carnaval, depois da entrega dos prémios aos vencedores, cuja gala se realiza na manhã de sábado, na Liga Africana, em Luanda.
Por outro lado, ressaltou o trabalho abnegado do júri, que conseguiu deixar a sala mais calma este ano, num cenário diferente em relação às edições passadas, marcadas por fortes contestações dos resultados.
“Penso que é resultado de um trabalho de organização e sensibilização junto dos grupos. Mas as reclamações vão sempre acontecer, até porque só pode haver um vencedor e o resultado deve ser aceite”, defendeu.


Vermelho conquista no Cunene

Elautério Silipuleni | Ondjiva

O grupo Vermelho, do município do Cuanhama, na classe de adultos, é o digno vencedor da edição 2020 do Carnaval, da província do Cunene, ao totalizar 1.225 pontos, no desfile provincial, realizado, terça-feira, na Tribuna Municipal.
Nesta edição do Carnaval no Cunene, que contou com 11 grupos, dos municípios do Cuanhama, Namacunde, Ombadja, Cahama e Cuvelai, o júri atribuiu o segundo lugar ao Símbolo da Paz, com 1.096 pontos, e terceiro ao Beta Ngó, com 1.071 pontos.
A organização atribuiu ao vencer desta edição, na categoria de adultos, o valor de 725 mil kwanzas, enquanto ao segundo e terceiro classificados 625 mil e 475 mil kwanzas, respectivamente. A melhor rainha desta edição, pertence ao grupo Vermelho e recebeu 80 mil kwanzas como prémio.
Na classe infantil, o primeiro classificado, o Candengues da Paz, de Ombadja, recebeu 575 mil kwanzas. O grupo Símbolo da Paz, do Cuanhama, segundo classificado teve direito a 525 mil kwanzas e o terceiro classificado, o Vermelho, lhe foi atribuído 425 mil kwanzas.


União Muteda domina no Sumbe

Casimiro José | Sumbe

O grupo União Muteda, do Sumbe, venceu, na terça-feira, o Carnaval no Cuanza-Sul, na classe de adultos, ao obter 1.242 pontos do júri, presidido por Deolinda Victorino, que atribuiu o segundo lugar ao Fineza do Inconcon e o terceiro ao Independente do Sumbe.
Na classe infantil, o grupo Futuros Heroizinhos da Assaca sagrou-se vencedor, seguido do Futuros Cruzeta da Assaca e o Futuros Fineza do Inconcon.
Na classe B, de adultos, que incluiu os grupos folclóricos, o vencedor foi o Ochinganji, do bairro da Praia do Sumbe. O segundo lugar ficou com Lumbo da Panda e o terceiro foi para o Primeiro de Maio da Panda.
Quanto aos prémios, o primeiro classificado da classe A, de adultos, recebe a quantia de 450 mil kwanzas, o segundo 350 mil kwanzas e o terceiro 300 mil kwanzas. Já na classe infantil, o vencedor recebe o valor de 225 mil Kz, o segundo 175 mil Kz e o terceiro 125 mil Kz.
As principais danças exibidas pelos grupos que desfilaram na Marginal do Sumbe foram o estilo katambi, varina, kazukuta, quilapanga e algumas modernas. A maior parte das canções levaram mensagens sobre a luta contra o nepotismo e corrupção, a importância de aumentar a produção para a substituição das importações, assim como a melhoria das escolas e hospitais.
Para Deolinda Victorino, esta edição foi um êxito. “Os grupos participantes representaram os hábitos e costumes de cada região. As melhorias são visíveis a cada edição”, disse.
No final, o vice-governador do Cuanza-Sul para os Serviços Técnicos e Infra-Estruturas, Demétrio Selpúveda, agradeceu as empresas que patrocinaram os grupos e apelou à classe empresarial a apostar mais na promoção da cultura.


Mbongue encanta no Menongue

Lourenço Bule | Menongue

O grupo carnavalesco Mbongue Ya Kandjema, do município do Cuchi, que interpretou um tema evocando o combate à corrupção, branqueamento de capitais e outros males que assolam o país, venceu, terça-feira, na cidade de Menongue, Cuando Cubango, a 42ª edição do Carnaval provincial, na classe de adultos.
O grupo vencedor totalizou 459 pontos e arrebatou como prémio 500 mil kwanzas, tendo se apresentado com o habitual traje tradicional, numa simbiose coreográfica de dança tradicional e moderna.
O Mbongue Ya Kandjema convenceu o júri, que avaliou os 14 grupos carnavalescos que desfilaram terça-feira, no Largo 23 de Março, um acto testemunhado pelo governador do Cuando Cubango, Júlio Bessa.
Em segundo lugar foi o grupo Simpa Mbungue de Menongue, com 366 pontos, que recebeu como prémio 366 mil kwanzas, enquanto que o terceiro foi ocupado pelo Mingolo do Bairro Saúde, também de Menongue, com 328 pontos, que arrebatou 328 mil kz. Na classe infantil, ficou em primeiro lugar o grupo 23 de Março do município do Cuíto Cuanavale com 445 pontos e recebeu 500 mil kz.


Havemos de Voltar estreia no Bié

Delfina Victorino | Cuito

O grupo Havemos de Voltar, do município da Nharea, conquistou, pela primeira vez, o Carnaval no Bié, na classe de adultos, ao obter 680 pontos.
O segundo lugar ficou com o Ukungo, do município do Andulo, e o terceiro com o Ombembua, do Chinguar.
Com a vitória, o Havemos de Voltar volta a colocar o município de Nharêa entre os favoritos da “festa do povo” e recebeu o prémio de um milhão de kwanzas.
O segundo classificado tem direito a 800 mil Kz e o terceiro 600 mil kwanzas. Este ano, a maioria dos grupos apresentou temas ligados às questões sociais e culturais da província. As danças exibidas foram o catita, osauoia e olundongo. O Carnaval no Bié, dançado para saudar os 45 anos da Independência, contou com 17 grupos e foi assistido pelo governador Pereira Alfredo.

Assanhados vencem na Lunda-Sul

Adão Diogo
e Kamuanga Júlia | Saurimo

Os Assanhados do Txizaínga, na classe de adultos, e o União Quatro de Abril, em infantil, foram os grandes vencedores do Carnaval na Lunda-Sul 2020, num acto realizado, na terça-feira, na Praça Primeiro de Maio, na cidade de Saurimo.
O acto, presenciado pelo secretário de Estado da Cultura, João da Cunha Lourenço, serviu para o veterano Assanhados do Txizaínga mostrar experiência e conquistar o oitavo troféu. Pela vitória recebeu a quantia de 800.000 kwanzas.
Depois de um interregno forçado de três anos, “por motivos alheios”, explicou o líder Tetela da Silva, o grupo conseguiu vencer a disputa renhida, na qual participaram 13 concorrentes. Os grupos Utxokwe mu Txota e Massepa foram eleitos segundo e terceiro classificados na classe de adultos, respectivamente.
Na infantil, que participaram 16 grupos, o vencedor recebe 500.000 kwanzas. O júri desqualificou quatro candidatos da classe de adultos, por levarem crianças a desfilarem.
Durante sete horas, os grupos mostraram cor e alegria à plateia, que resistiu ao sol quente para ver os executantes da dança Txianda. Depois do anúncio dos vencedores, o secretário de Estado da Cultura considerou o desfile positivo, pela abrangência e inclusão de aspectos da cultura local.

Mérito
O grupo Txaco Txetu do Luar, da Lunda-Sul, foi agraciado, na terça-feira, com um diploma de mérito e um prémio de um milhão de kwanzas, em reconhecimento ao trabalho em prol da cultura da região e pela participação, regular, na “festa”.

Incêndio
O Carnaval na Lunda-Sul ficou marcado com um incêndio, de origem desconhecida, no perímetro do desfile dos foliões, prontamente apagado pelo Serviço de Bombeiros.

Tempo

Multimédia