Cultura

Vice-governadora propõe criação de clubes de leitura

Roque Silva

A vice-governadora para o sector social e político da província de Luanda defendeu, ontem, a criação de clubes de leitura para a promoção do livro nos municípios, por forma a promover os hábitos de leitura e o acesso às obras literárias em grande escala.

Feira do livro infantil é um incentivo e promoção da produção literária dedicada às crianças
Fotografia: Maria Augusta|Edições Novembro

Ana Paula Correia Victor, que falava na abertura da edição 2018 do Jardim do Livro Infantil, em Luanda, que decorre até amanhã, na Praça da Independência, disse ser necessário o regresso de projectos, como “Chás do livro e da leitura” e outros que contribuíram para o fomento do livro nos bairros e nas escolas. 
A vice-governadora recomendou ao Gabinete da Educação de Luanda a promoção e instalação das bibliotecas escolares e o retorno dos concursos de redacção a partir de uma obra ou do desenho livre, com início nas turmas com permuta de obras entre os estudantes, uma tradição que existe há décadas para que a escola continue a se tornar no local desejável na promoção do livro e do gosto pela leitura.
Ana Paula Correia Victor, que representou o governador Adriano Mendes de Carvalho, pediu mais agilidade dos administradores municipais, distritais e comunais, no sentido de propostas de expansão do Jardim do Livro Infantil às povoações e outras zonas mais recônditas.
Os administradores, disse a vice-governadora, devem criar e apresentar propostas de promoção do livro para  garantir o acesso e a promoção dos hábitos de leitura, sobretudo das crianças, nas suas zonas de jurisdição.
Para a governante, que reconheceu o contributo das bibliotecas para o enriquecimento e crescimento intelectual de uma nação, a reabilitação destas instituições do saber e de outros espaços que permitam a leitura tranquila e com silêncio consta nos planos do Executivo “pese embora a actual crise económica e financeira”.
O Jardim do Livro Infantil é uma excelente ocasião para proporcionar o convívio didáctico disse Ana Paula Correia Victor, que apelou aos adultos a oferecerem cada vez mais livros às crianças e aos jovens, proporcionando momentos de leitura e interacção, em casa e noutros locais.
“Só assim estarão traçadas as linhas para promoção do livro e da leitura nas escolas, bairros e casas para melhorar os conhecimentos e serem a garantia do futuro de uma Angola desenvolvida”.
O Jardim do Livro Infantil, que decorre em todo o país, promove a tenda das letras, o Jango da Palavra, onde escritores lêem contos para as crianças, lançam e apresentam livros.
À margem da cerimónia de abertura do Jardim em Luanda, na qual participam 40 expositores, a escritora  Maria Celestina Fernandes apresentou o livro “Kambas para sempre”, minutos depois de os Cassules da Cacimba exibirem o semba, numa excelente dança de Carnaval.
Em Luanda, onde são realizadas ainda as feiras do livro defronte a Administração de Viana e na Biblioteca do Kilamba Kiaxi, as crianças participam em concursos para elevarem o nível de conhecimento em torno do livro.

Tempo

Multimédia