Cultura

Waldemar Bastos recorda êxitos no “Show do Mês”

Manuel Albano

Waldemar Bastos, um dos defensores da música angolana na diáspora, é o cartaz dos concertos de hoje e amanhã, às 21h00, no Royal Plaza Hotel, em Talatona, da última edição do ano do projecto Show do Mês.

Autor de “Velha Chica” espera um final marcante e momerável dos dois concertos já esgotados
Fotografia: Maria Augusta | Edições Novembro

Cantor de múltiplas distinções conquistadas ao longo de mais de quatro décadas de carreira e de uma melódica voz, Waldemar Bastos, regressa ao país quatro anos depois para encerrar a 5ª temporada de espectáculos concebida pela produtora Nova Energia, num projecto idealizado com sucesso por Yuri Simão.
Numa conversa áudio en-tre o mentor do projecto e Waldemar Bastos, publicada na rede social Facebook, o cantor mostra-se tranquilo, tendo aceite o convite de um “romance”, longo, consumado agora, com um final que se espera “marcante e memorável” com bilhetei-ras já esgotadas para os dois espectáculos.
“No final de contas quan-do se dá com amor, acabamos sempre por receber também com amor” mostrou-se satisfeito o autor da canção ‘Angola, minha na-morada’, cujo lema é utilizar a arte de cantar como forma de transmitir mensagens de amor, paz, tranquilidade e esperança de dias melhores para todos os angolanos”, afirmou o cantor.
As canções, disse, vão continuar a ser partilhadas com os admiradores em todos os locais do mundo, onde for convidado a espalhar o perfume e a magia harmónica das suas composições.
Quem observa atentamente as composições de Waldemar Bastos, facilmente  se apercebe que o cantor “nunca deixou de estar espiritualmente no país”, razão pela qual afirma ter uma grande legião de fãs nacionais e além-fronteiras”, e que mais uma vez, será testemunhada durante os dois espectáculos.
Na canção “Angola minha namorada”, um dos sucessos proposto para o guião, diz ser o resultado de um compositor observador e atento às transformações do país. Num dos refrãos do mesmo tema o cantor diz: “Não me perguntes quando volto porque nunca saí daí...”, mostrando claramente a ligação eterna com Angola.
Embora fisicamente esteja distante, mentalmente continua “preso” à realidade, locais e sítios, sonhos e realizações, dor e conquistas dos angolanos transmitidos nas canções, afirmou o cantor nascido em 1954, na província do Zaire.
Quanto ao tema “Velha Chica”, que na verdade seria “Velha Ângela”, avó materna do Lobito, Waldemar Bastos  optou pelo segundo título, por ser mais abrangente e representativo. “Conto a história, não apenas da minha, mas de todas as avós do meu país, que viveram as angústias de ver os filhos enviados para o Tarrafal. Falo da ditadura e do aperto de uma mãe que não quer ver seus filhos e netos envolvidos na política”, disse o cantor.
Waldemar Bastos está consciente da magnitude da sua obra, pelo facto de um artista quando conquista prémios importantes no país e na diáspora, a sua vida e obra tornarem-se  referência para todos, como um produto colectivo.

  Nova Energia encerra quinta temporada 

Quanto aos dois espectáculos, que o cantor considera “um encontro com a História”,  Waldemar Bastos  aponta o ano de 2018 como “um fenómeno de vários acontecimentos com reconhecimentos atrás de reconhecimentos”, coroado com digressões em espectáculos por países do continente americano, europeu e africano. “Todo este sucesso devo também aos músicos que me acompanham, colegas e amigos com quem partilho as mesmas dimensões espirituais”.
O cantor disse que procura sempre compor canções com profundas mensagens de esperança. “Senti-me desprezado há muito tempo e não esperava ser distinguido este ano com o Prémio Nacional de Cultura e Artes. Acho que foi feito alguma justiça e agradeço a todos que permitiram que tal feito se concretizasse”.
O projecto Show do Mês não poderia ter um final feliz melhor que este depois da polémica com o cantor Matias Damásio. De acordo com um dos membros  da organização, ter como cartaz um dos mais representativos cantores angolanos a trilhar caminhos “dourados” na diáspora é sempre motivo de satisfação e prestígio para qualquer promotor de espectáculos.
Nelson Cantos afirmou que os ensaios gerais foram realizados ontem e seleccionadas as canções que vão fazer parte do guião artístico dos dois espectáculos de Waldemar Bastos. “O cantor tem um repertório vastíssimo e foi uma grande dificuldade fazer a selecção dos melhores sucessos”.

Tempo

Multimédia