Cultura

Ziva Domingos falou do futuro dos museus

“A contribuição do futuro Museu do Reino do Kongo, na preservação do Património Cultural”, foi o tema apresentado pelo director nacional dos Museus, Ziva Domingos, que destacou a importância da Rede Angolana de Museus, um sector dinamizador na conservação da história do país.

Fotografia: Santos Pedro | Edições Novembro

Ziva Domingos disse que os 15 museus existentes, reforçado com os diplomas legais regularizador das actividades museológicas, têm servido como laboratório de pesquisas para o crescimento da Antropologia e da história no país.
Ainda ontem, o director do Museu da Antropologia, Álvaro Jorge, dissertou sobre “As colecções do Museu de Antropologia”.
De acordo com Álvaro Jorge, o museu é uma via de difusão do património cultural para a reafirmação da identidade e unidade nacional, por meio das colecções etnográficas e  obtenção de apoios a nível nacional e internacional.
De acordo com o progra-ma de actividades, no pe-ríodo da tarde, o antropólo-
go Manzambi Vuvu Fernando falou sobre “Configuração do Reino Kongo, uma entidade política ou cultural?”, enquanto o historiador Jean de Dieu Nsondé, do Congo - Brazzaville, especialista da História do Reino do Kongo, radicado em Guadalupe, abordou o tema “A estética do Reino Kongo”.
Amanhã, a partir das 10h00, o historiador Jean de Dieu Nsondé vai falar sobre “O comércio de escravos no Reino Kongo”, a professora e historiadora Constança do Nascimento da Rosa Ferreira de Ceita vai abordar o tema “Kimpa Vita, a fragmentação política no reino do Kongo e as suas implicações no tráfico Transatlântico no séc. XVIII”.

Tempo

Multimédia