Desporto

1º de Agosto e Interclube reconquistam campeonatos

António de Brito

O Interclube sagrou-se campeão nacional em masculinos, ao vencer ontem o 1º de Agosto, por 21-20, trinta anos depois da conquista do segundo título, feito alcançado em 1989, depois da primeira em três anos antes, na final disputada no Gimnodesportivo da Cidadela.

Equipa afecta às Forças Armadas recupera troféu perdido na época passada para as rivais
Fotografia: Miqueias Machangongo | Edições Novembro

A equipa sénior feminina do 1º de Agosto, por seu turno, revalidou o título da 41ª edição do Campeonato Nacional de andebol, ao derrotar o Petro de Luanda, por 20-13. Esta é a sétima conquista das militares contra 24 das petrolíferas.
No desafio mais esperado da final, com excelente início, o 1º de Agosto vencia por 4-1 aos seis minutos, o que levou o treinador Vivaldo Eduardo a pedir, desde logo, um “time-out”. O Petro de Luanda reagiu e, lentamente, foi reduzindo a desvantagem.
Melhores na abordagem do jogo, as militares nunca perderam o controlo do marcador, e ao intervalo ganhavam por (11-6). As agostinas optaram pela marcação à zona para travar o ataque adversário. Vivaldo Eduardo olhava para o banco e não encontrava soluções para equilibrar o jogo com o conjunto do Rio Seco. Na etapa complementar, o 1º de Agosto manteve a superioridade que trazia do primeiro tempo e aos poucos fugiu no marcador. A formação do Eixo Viário foi perdendo as esperanças, já que a treinada pelo dinamarquês Morten Soubak manteve o controlo e o domínio do jogo. A vitória do 1º de Agosto não sofre qualquer contestação, porque foi a equipa mais esclarecida, diante de um Petro de Luanda sem arte nem engenho para contrapor os argumentos do opositor. Ao vencer a Marinha por 22-25, o 1º de Agosto B classificou-se na terceira posição do campeonato.

Quebra de jejum

Em masculinos, com alternância no marcador, 1º de Agosto e Interclube realizaram um jogo “electrizante” e impróprio para cardíacos. As duas equipas estavam empenhadas e decididas a vencer o troféu. Na ânsia de manter a taça, a formação militar entrou forte no jogo e colocou-se à frente do marcador, com golos de Feliciano Gouveia e Gabriel Teka. Mas o Interclube reduziu a desvantagem, por intermédio de Edgar Abreu “Pelu”, decorridos sete minutos. O 1º de Agosto apresentou-se com o sistema táctico (3-3), com três jogadores na primeira linha e igual número na segunda. O Interclube optou pelo 5-1, com cinco atletas na primeira linha e um na segunda. Com maior frescura táctica, a equipa de Filipe Cruz esteve sempre à frente do marcador e dificultava as acções ofensivas da formação da Polícia Nacional. Inteligentemente, o treinador José Pereira “Kidó” solicitou um minuto de desconto para arrefecer o ímpeto ofensivo do 1º de Agosto que veio a resultar, com as duas equipas a terminarem a primeira parte empatadas a dez golos.
Na segunda parte, os dois conjuntos jogaram o tudo ou nada, com o 1º de Agosto a liderar sempre a marcha do marcador. A partida registou oito igualdades. A faltar um minuto para o fim do jogo, o Interclube deu a “cambalhota” no resultado, ao triunfar por 21-20, destronando o 1º de Agosto do título, ao passo que a Marinha de Guerra classificou-se na terceira posição, ao vencer por 22-21, o Petro de Luanda.

Tempo

Multimédia