Desporto

1º de Agosto e Petro são obrigados a ganhar

Anaximandro Magalhães

Em pontos divergentes, 1º de Agosto, determinado a forçar uma finalíssima, e Petro de Luanda, à distância de uma vitória de festejar o título, estão obrigados a ganhar hoje, quando a partir das 18h00, no Pavilhão Victorino Cunha, disputarem o quinto de sete jogos dos play-offs da final da 41ª edição do Campeonato Nacional sénior masculino de basquetebol.

Militares pretendem repetir a façanha de segunda-feira e levar a disputa até ao sétimo desafio
Fotografia: Kindala Manuel | Edições Novembro

Sem margem para erros, aos militares do Rio Seco, comandados por Paulo Macedo, só o triunfo interessa, pois deste modo reduzem para 2-3, a desvantagem na série. Moralizados com o triunfo de segunda-feira, Macedo e pupilos acreditam ser este o momento de viragem em busca da revalidação do ceptro.
Refeitos do percalço, os petrolíferos do Eixo Viário, às ordens de Lazare Adingono, chegam ao campo do rival pressionados, mas determinados em arrumar esta noite as contas do campeonato. No balneário, o refrão é ganhar.
Com a ansiedade a tomar conta de grande parte dos seus jogadores nas acções ofensivas, dando azo ao desacerto geral nos momentos cruciais, os tricolores sabem o quão importante será melhorar os níveis percentuais.
Nos lançamentos de dois pontos, em 41 arremessos marcaram 17, o correspondente a 41,5 por cento. Por sua vez, os agostinos em 44 converteram 20, equivalente a 45,5 por cento. Da linha dos lances livres, em 28 tentativas os atletas da formação com 12 troféus da bola ao cesto doméstica encestaram 18, obtendo 64,3 por cento.
Já os jogadores do conjunto mais vezes campeão nacional, com 18 taças, converteram 21 em 30 idas a área de cobrança de faltas, correspondentes a 70 por cento. Se quiser ganhar, tal como o 1º de Agosto, o Petro tem de melhorar nos lançamentos triplos, único sector no qual esteve melhor em relação ao concorrente directo.
Em 26 bolas lançadas ao aro, dos seis metros e setenta e cinco, os pupilos de Adingono acertaram somente seis, média percentual de 23,1. A armada liderada por Macedo em 27 marcou quatro, 14,8 por cento.
Anular os pontos fortes do extremo-base Manny Quezada, 1,88 metros, responsável pela marcação de 35 pontos em 44:24 minutos, deve ser uma das principais preocupações dos tricolores, cujas perdas de bola, 21, contra 19 do rival, também foram decisivas.
A “Quezada dependência” também pode ser prejudicial ao Clube Central das Forças Armadas, pois em dia de desacerto do craque os rubro e negros dificilmente conseguem vergar os opositores.
O 1º de Agosto deve utilizar os seguintes jogadores: Pedro Bastos, Carlos Cabral, Edson Ndoniema, Armando Costa, Tárcio Domingos, Felizardo Ambrósio, Mutau Fonseca, Emmanuel Quezada, Eduardo Mingas, Hermenegildo Santos, Islando Manuel e Andre Harris.
Pelo Petro de Luanda estão disponíveis: Kendall Gray, Olímpio Cipriano, Childe Dundão, Carlos Morais, Joaquim Pedro, Leonel Paulo, Aboubakar Gakou, Hermenegildo Mbunga, Gerson Gonçalves, António Deográcio e Aldemiro João “Vander”.

Tempo

Multimédia