Desporto

1º de Agosto perde folga no comando do Girabola

Honorato Silva|

Em mais um fim de tarde sem fulgor, o 1º de Agosto deixou escapar o conforto no comando da tabela classificativa do Girabola, ao empatar ontem, sem golos, diante do Santa Rita de Cássia, em pleno Estádio Nacional 11 de Novembro, para 20ª jornada.

Mabululu ontem teve a pontaria desafinada e falhou ocasiões para dar triunfo aos militares
Fotografia: Agostinho Narciso | Edições Novembro

 

O encontro de extremos, primeiro e último, sorriu para o lado da formação do Uíge, que procura pontos com o propósito de garantir a permanência. Enquanto os rubro e negros treinados pelo bósnio Dragan Jovic escreveram mais um capítulo da quebra competitiva, os católicos reagiram da melhor maneira à saída do técnico Marcos Chivinda.
Ficou uma vez mais provada a dependência ao génio de Ary Papel, ausência de última hora, depois de ter feito parte dos convocados. Ninguém foi capaz de assumir o jogo e colocar em sentido a defesa adversária, premiada pela prestação segura do guarda-redes Carlos, o principal responsável da inviolabilidade da baliza.
No meio campo, Macaia revelou-se permissivo nas tarefas defensivas, debilidade explorada pelo Santa Rita, e incapaz de apoiar Bua no lançamento do ataque, quando Mário assistia ao jogo no banco de suplentes. No ataque, Mabululu andou distante da serenidade que define a condição de goleador, ao passo que Mongo foi improdutivo.
O registo em branco está longe de ser consequência de uma eventual postura defensiva dos uigenses, porque Neblu teve de apelar à agilidade para evitar uma queda estrondosa, com a derrota caseira. O 1º de Agosto, 42 pontos, fica à mercê da ameaça do arqui-rival, que tem menos um jogo, e o Santa Rita, último, 13, alimenta o sonho da manutenção.

Fim dos empates
Sete empates depois, três na fase de grupos da Liga dos Clubes Campeões Africanos e quatro nas provas domésticas, o Petro de Luanda conseguiu sábado a primeira vitória em 2020, ao derrotar o Ferrovia do Huambo, por 2-0, no Estádio Nacional 11 de Novembro.
A equipa tricolor, às or-dens do espanhol Antonio Cosano, foi travado pelo Wydad Athlertic de Marrocos (2-2), Wiliete de Benguela (0-0), Mamelodi Sundowns da África do Sul (2-2), USM da Argélia (2-2) e Sagrada Esperança (1-1, 0-0 e 2-2). A última igualdade ditou, na quarta-feira, o afastamento dos petrolíferos nos oitavos-de-final da Taça de Angola.
Confinados à disputa do Girabola, os recordistas de títulos da competição, com 15 troféus conquistados, concentram as atenções no travão dos intentos do 1º de Agosto, na procura do penta (quinta conquista consecutiva) na competição, exclusividade do clube do Eixo Viário. Os golos de Jacques Tuyisengue e Yano confirmaram o regresso do Petro de Luanda aos triunfos, desfecho que permite aos vice-campeões nacionais, segundos com 40 pontos, ganhar terreno na tabela classificativa, visto estarem mais próximos da primeira posição.
Determinado na ronda anterior, na qual impôs uma igualdade (1-1) aos militares do Rio Seco, com atitude competitiva, o Ferrovia de João Pintar da Silva acabou por sucumbir à supremacia dos petrolíferos, que tiveram sempre o jogo controlado. Os locomotivas, 13º, 15 pontos, atrasaram-se na tentativa de abandono da zona de despromoção.
A jornada, a ser concluída hoje, quando o Sporting de Cabinda receber o Progresso Sambizanga, às 15h00, no Tafe, está marcada pelo baixo registo ofensivo das equipas, já que foram marcados apenas quatro golos, em seis desafios disputados.
O FC Bravos do Maquis confirmou a hegemonia, em relação ao Recreativo da Caála. Depois do sucesso na Taça de Angola, os maquisardes orientados por Zeca Amaral venceram por 2-0, ontem, no Estádio Mundunduleno. Os pupilos de David Dias foram impotentes para contrariar o opositor.
No sábado, os empates sem golos nas partidas Académica do Lobito - Desportivo da Huíla, Interclube - Cuando Cubango FC e Recreativo do Libolo - Sagrada Esperança alimentaram a magra safra dos ataques. O resultado dos polícias, no 22 de Junho, é o único que contrariou as expectativas, pois era esperado o regresso da equipa de Ivo Campo às vitórias, após o desaire no reduto do Caála.

Tempo

Multimédia