Desporto

1º de Agosto surge destacado entre os clubes vitoriosos fora

Honorato Silva

A ronda do final de semana do futebol africano de clubes colocou o 1º de Agosto, tetra-campeão do Girabola, em destaque entre as equipas que venceram fora de casa, registo que reforça o respeito conquistado pelo embaixador angolano, com o brilharete assinado o ano passado, depois da disputa das meias-finais.

Mabululu e Kila marcaram os golos da vitória no reduto dos Green Eagles
Fotografia: Kindala Manuel | Edições Novembro

Além dos militares do Rio Seco, triunfaram na condição de visitantes o Raja Casablanca (Marrocos), Wydad (Marrocos), Al Ahly (Egipto) e Mamelodi Sundowns (África do Sul). A julgar pela força competitiva dos clubes, é pouco expectável que haja uma reviravolta nos jogos da segunda “mão” da derradeira eliminatória da Liga dos Campeões.
Preocupados em evitar a repetição do fracasso registado na edição passada da prova, quando caiu com estrondo aos pés do desconhecido Otohô do Congo Brazzaville, os rubro e negros regressaram ao laboratório para rever a estratégia que assegurou o brilharete em 2018, apenas travado por uma arbitragem tendenciosa do zambiano Janny Sikazwe, em auxílio aos tunisinos do Esperance de Tunis.
Parece estar igualmente a pesar no desempenho do 1º de Agosto o facto de o bósnio Dragan Jovic, precursor da hegemonia vincada no futebol angolano e da consequente conquista de quatro títulos consecutivos, estar decidido a superar o rótulo de perdedor em África, exigência reforçada pela boa campanha do clube sob o comando do sérvio Zoran Maki, actual treinador do Wydad, que pode regressar a Luanda como visitante, em caso de apuramento das equipas.
A vitória (2-1), em Lusaka, frente ao Green Eagles, que na ronda anterior deixou pelo caminho o Orlando Pirates da África, com a decisão da eliminatória fora de casa, atesta a força dos militares, cujo duplo triunfo (2-0) sobre o KMKM do Zanzibar chegou a ser atribuído à falta de argumentos futebolísticos do adversário.

Petro em apuros

O empate (0-0) em casa deixa o Petro de Luanda numa situação mais exigente, na disputa do passe, já que terá de se deslocar ao reduto do Kampala City do Uganda, equipa que mostrou argumentos para assumir o comando do jogo diante dos seus adeptos.
A regra do golo fora pressiona os ugandeses, dado o risco de serem eliminados com qualquer empate com golos. Mas o êxito da deslocação dos tricolores, às ordens do espanhol Antonio Cosano, exige força na finalização, porque o que se produziu no sábado é pouco para fazer mossa na estrutura defensiva do opositor, na condição de visitado.
A ronda africana registou os seguintes resultados: USM da Alger (Argélia) - Gor Mahia (Quénia), 4-1, Al-Nasr (Líbia) - Raja Casablanca (Marrocos), 1-3, Nouadhibou (Mauritânia) - Wydad (Marrocos), 0-2, ASC Kara (Togo) - AS Vita Club (Congo Democrático), 0-0, Asante Kotoko (Ghana) - Etoile du Sahel (Tunísia), 2-0, Enyimba (Nigéria) - Al-Hilal (Sudão), 0-0, Elect Sport (Tchad) - Esperance Tunis (Tunísia), 1-1, Fosa Juniors (Madagáscar) - TP Mazembe (Congo Democrático), 0-0, JS Kabylie (Argélia) - Horoya (Guiné Conacri), 2-0, Generation F (Senegal) - Zamalek (Egipto), 2-1, Cano Sport (Guiné Equatorial) - Al Ahly (Egipto),0-2, Paltinum (Zimbabwe) - União Desportivo do Songo (Moçambique), 1-0, Young Africans (Tanzânia) - Zesco United (Zâmbia), 1-1 e Côte d’Or (Ilhas Seychelles) - Mamelodi Sundowns (África do Sul), 0-5.

Tempo

Multimédia