Desporto

1º de Agosto assegura final Petro tenta seguir peugada

Anaximandro Magalhães

Uma vitória hoje, frente ao Sport Libolo e Benfica, com quem volta a testar habilidades a partir das 18h00, no Pavilhão Dream Space, qualifica o Petro de Luanda para a disputa da final dos playoffs da 40.ª edição do Campeonato Nacional sénior masculino de basquetebol, Unitel-Basket, para a qual já está apurado o 1º de Agosto.

Extremo Gerson Gonçalves, em posse da bola, e companheiros tentam hoje a qualificação
Fotografia: Dombele Bernardo | Edições Novembro

Esta noite, em vantagem por dois a zero, o Petro, eterno arqui-rival, tenta seguir-lhe as peugadas, para deste modo voltarem a decidir o título mais importante do calendário doméstico de competições da Federação Angolana de Basquetebol (FAB).
O jogo, o terceiro de cinco reservados para as meias-finais, é de cariz decisivo para as duas formações cujo objectivo previamente definido no arranque da época é a conquista do título de campeão nacional. Vencendo, os petrolíferos às ordens do camaronês Lazare Adingono dispensam os dois encontros previstos.
Na eventualidade de vergar no seu recinto, o Petro, o Sport Libolo, orientado pelo angolano Raul Duarte reduz a margem de erro do adversário, assim como reentra no despique pelo apuramento.
Para isso, impõe-se melhorar na finalização de modo geral, e em particular nos lançamentos triplo, onde em 22 tentativas encestou apenas 3, fazendo 14 por cento, contra 29 arremessos e cinco marcados do Petro, 17, por cento.
Aos petrolíferos do Eixo Viário impõe-se, contrariamente ao adversário, aprimorar as percentagens nos lançamentos de livres e de dois pontos.
Nos lançamentos dos dois pontos, os tricolores marcaram 18 dos 58 tentados, 32 por cento, e estiveram furos abaixo em relação ao Sport Libolo, melhor neste quesito, pois em 41 tentativas encestou 16, 39 por cento. Na linha de cobrança de faltas os pupilos de Adingono converteram 18 dos 30, 60 por cento. Já o conjunto oriundo do Cuanza Sul converteu 20 dos 31 tentados, 65 por cento.
Se ambos cumprirem, o equilíbrio voltará certamente a ser a tónica dominante da partida, que se perspectiva renhida e de prognóstico reservado em função das incidências do primeiro jogo.
Duarte pode contar com os préstimos de Francisco Sousa, Olímpio Cipriano, Cristiano Xavier, Roberto Fortes, Pedro Bastos, Manda João, Milton Barros, Deográcio António, Teotónio Dó, Joseney Joaquim, Benvindo Quimbamba e Hermenegildo Mbunga.
Lazare tem à sua disposição os seguintes atletas: Cley Cabango, Childe Dundão, Erikson Silva, José António, Sekouba Condé, André Miguel, Leonel Paulo, Domingos Bonifácio, Aboubakar Gakou, Olalekan Ajayi, Joaquim Pedro e Gerson Gonçalves "Lukeny".

Militares asseguram final
A precisar de apenas um triunfo, o 1.º de Agosto não deu tréguas ao ASA, vencendo-o por 89-76, no Pavilhão Multiusos do Kilamba. Ao intervalo os rubro e negros liderados por Paulo Macedo, venciam por 40-29, aos aviadores treinados por Carlos Dinis.
Num jogo que opôs dois ex-seleccionadores nacionais seniores masculinos em momentos distintos, Macedo, em 2013 e Dinis, em 2015, levou a melhor o primeiro. Regressados do balneário, e numa altura em que tudo indicava que fosse desfilar classe, por estar a vencer por 42-29, eis que o ASA em seis minutos recuperou, para 47-48, embora estivesse ainda assim a perder. 
Com estofo o quanto bastou, o ASA conseguiu ganhar o terceiro quarto, por 59-57. Para vergar a formação do aeroporto os agostinos tiveram de suar a bem suar e puxar dos galões, para isso a experiência de Armando Costa, Manny Quezada, Eduardo Mingas e colegas imperou sobre Bráulio Morais, Simão Lutonda, Hélmer Félix, e companheiros.

Tempo

Multimédia