Desporto

1º de Agosto com foco na final

Honorato Silva

A presença do médio defensivo Show, na relação de jogadores escolhidos por Zoran Macki, para a viagem de hoje à noite com destino a Tunis, palco do jogo da próxima terça-feira, frente à formação tunisina do Esperance, referente à segunda “mão” da meia-final da Liga dos Clubes Campeões Africanos de futebol, é a boa nova no plantel do 1º de Agosto.

Médio defensivo dos militares está apto para ajudar a equipa a chegar à final da competição
Fotografia: José Cola|Edições Novembro

Substituído por Stélvio Cruz, sexta-feira no 11 de Novembro, na vitória (4-1) dos Palancas Negras sobre os Mourabitounes da Mauritânia, na quarta jornada do Grupo I de apuramento para o CAN’2019, nos Camarões, o jogador falhou a deslocação a Nouakchott.
Determinante no desempenho da equipa, sobretudo no plano táctico, pela entrega e disponibilidade na disputa dos lances a meio campo, a chamada “casa de máquinas”, Show partilha com Ibukun, Mongo e muitas vezes Mário e Macaia a definição dos ritmos de jogo dos militares do Rio Seco.
Disponível para a viagem está igualmente o “capitão” Dani Masunguna, poupado terça-feira na derrota (0-1) da Selecção Nacional, no reduto da similar mauritaniana, por dificuldades físicas. O central forma com o congolês democrata Bobó uma muralha intransponível na defesa da baliza do seguro Tony Cabaça.
A garantia da presença dos jogadores foi dada ontem, por Ivo Traça, adjunto de Macki: “Temos todo o plantel disponível, excepto o Neblu, Natael e Nelson da Luz, que recuperam de lesão. O Show e o Masunguna estão integrados. Trabalham sem qualquer limitação e vão viajar com o grupo”.

Primeiro treino
Os tricampeões do Girabola realizaram ontem, no Estádio França Ndalu, o primeiro treino com o grupo completo, depois do triunfo (1-0), no dia 2 de Outubro, na primeira “mão”. A janela das selecções nacionais deixou os rubro e negros reduzidos a 13 jogadores, quadro que obrigou a equipa técnica a fazer apenas trabalho conservador, virado para a melhoria da condição física.
A sessão foi dominada pelo ensaio de jogadas padronizadas, com o foco no reforço da capacidade táctica da equipa, chamada constantemente a fazer o deslizamento da zona de pressão. O objectivo é limitar o avanço dos tunisinos que, em desvantagem na eliminatória, vão adoptar uma postura ofensiva.
“Não tem como ficar satisfeito com esse interregno. O plantel está com dois níveis. Um dos jogadores que treinaram para jogar a um ritmo elevado, e outro que apenas treinaram. A motivação não é a mesma quando trabalhamos sem a preocupação de competir. Vamos agora trabalhar no equilíbrio do grupo”, explicou Ivo Traça.
Quanto ao adversário, o treinador realçou o facto de ter mudado de comando recentemente, com o afastamento de Khaled Ben Yahia, depois da derrota em Luanda e a seguir na Liga da Tunísia. “Isso pode ser um pau de dois bicos. Mas estamos preparados para dar a melhor resposta. O nosso foco está no apuramento para a final”.
O triunfo de Luanda coloca o 1º de Agosto em situação privilegiada, para assegurar a presença na decisão do título africano. Qualquer derrota com margem de um golo apura os militares, embora Zoran Macki e pupilos prefiram fazer contas mais ousadas e ambiciosas, sem perder de vista a possibilidade de vencer fora de casa. 
A equipa volta a treinar hoje às 8h30, enquanto o primeiro treino em solo tunisino está previsto para amanhã à tarde, com vista a recuperar os atletas da longa viagem de Luanda a Tunis, com passagem em trânsito pelo Dubai. A sessão de reconhecimento e adaptação ao relvado do Estádio Olímpico de Radès acontece na segunda-feira.
Seguem na delegação, encabeçada pelo presidente do clube, Carlos Hendrick da Silva, Tony Cabaça e Julião (guarda-redes); Paizo, Dani Masunguna, Bobó, Isaac, Mingo Bile, Anderson Guelor e Yisa (defesas); Show, Mário, Ibukun, Mongo, Geraldo, Buá e Macaia (médios); Jacques e Razaq.

Tempo

Multimédia