Desporto

1º de Agosto deixa Harare em direcção a Zvishavane

António de Brito | Harare

O 1º de Agosto, bicampeão angolano, deixa esta manhã a cidade de Harare, com destino a Zvishavane, província de Midlands, onde na quarta-feira defronta o Platinum do Zimbabwe, no Estádio Mandava, às 14h00 locais,15 horas em Angola, na segunda “mão” da eliminatória de apuramento para a fase de grupos da Liga dos Clubes Campeões.

Jogo no Estádio Nacional 11 de Novembro deixou patente a supremacia dos militares
Fotografia: Kindala Manuel | Edições Novembro

De autocarro, a formação militar vai fazer um percurso de 296 quilómetros, numa viagem que pode durar aproximadamente três horas e meia. 

No seio dos jogadores a confiança é forte e todos estão unidos à volta do principal objectivo: vencer o jogo e continuar a lutar por  um lugar na fase de grupos da prova continental.

Em declarações ao Jornal de Angola, Dani Massunguna, "capitão" do 1º de Agosto, exteriorizou a vontade de vencer, apesar de esperar enfrentar dificuldades: "Estamos pronto para dar o nosso melhor e garantir o apuramento. Sabemos que a missão é espinhosa. Estamos focados naquilo que são os nossos objectivos".

O médio Geraldo destacou a coesão do grupo e o bom balneário. "Somos um por todos e todos por um. Temos um bom ambiente de trabalho e espírito de camaradagem. Penso que não iremos defraudar os nossos adeptos", assegurou.

Acarinhados em Harare

Pelos feitos no futebol e noutras modalidades, o 1º de Agosto não passa despercebido. No treino de sábado, realizado no campo  de apoio do Estádio Nacional de Harare, os jogadores do Haracity FC (venvedor da Taça do Zimbabwe) desejaram boa-sorte ao campeão angolano.

“Conhecemos bem o futebol angolano. Em África, a vossa equipa é uma referência. Estou convencido de que vão fazer um bom jogo. Comparativamente ao Platinum, o 1º de Agosto é mais experiente e compete quase sempre nas provas da CAF”, disse ao nosso jornal o médio Mokebo Toza.

O central Óscar Chitiyo deu, inclusive, a receita a Zoran Maki para contornar o Platinum. “Eles jogam muito pelas alas. Se bloquearem os médios ofensivos, não jogam”, alertou o jogador.


Tempo

Multimédia