Desporto

1º de Agosto e Petro começam discussão no Victorino Cunha

Armindo Pereira

1º de Agosto e Petro de Luanda começam hoje, às 18h00, no pavilhão Victorino Cunha, a decisão do título da 40ª edição do Campeonato Nacional sénior masculino de basquetebol, que coloca frente-a-frente as duas equipas mais tituladas da competição, no  primeiro jogo dos sete prováveis.

Clássicos do basquetebol nacional e continental são aguardados com muita expectativa pelos adeptos
Fotografia: Vigas da Purificação | Edições Novembro

Depois de uma primeira fase irrepreensível, os militares querem vencer as primeiras partidas no seu reduto, de acordo com o base Armando Costa. “Humildade e respeito pelo adversário, são os aspectos a ter em conta para concretizar as metas”.   
O poste Felizardo Ambrósio entregue ao Departamento Médico, por lesão, é carta fora do baralho para os três primeiros jogos da final.
Sábado, os militares realizaram um treino com a formação do Desportivo da Marinha, onde aprimoraram aspectos defensivos, como defesa homem a homem, com pressão alta, e à zona. Transições rápidas para o ataque é uma das características dos marinheiros, que é também uma das "armas" da jovem formação do Petro de Luanda. 
Paulo Macedo afirmou que o seu conjunto procurará, a todo custo, anular todos os pontos fortes da equipa do Eixo Viário, apostar na circulação de bola e manter a eficácia na conclusão dos lances.   
O treinador exige maior rigor e concentração, para evitar contrariedades durante o desafio. O objectivo passa por vencer os dois primeiros jogos em casa. Para tal, o treinador disse que tem conversado com os seus jogadores por causa da ansiedade, factor que pode complicar as aspirações dos rubro e negros.   A trajectória da equipa na presente edição do Campeonato Nacional aumenta as suas responsabilidades na final, segundo ainda o treinador e disse que o favoritismo está repartido.
“Fizemos uma óptima primeira fase, mas isso faz parte do passado. A prestação aumenta ainda mais as nossas responsabilidades. O favoritismo está repartido em 50 por cento para cada equipa. Não devemos esquecer que o Petro eliminou o Libolo, mas queremos ganhar e fazer o trabalho de casa”, comentou. 
Participaram do treino Milton Valente, Armando Costa, Eduardo Mingas, Gildo Santos, Edson Ndoniema, Islando Manuel, Emanuel Quezada, Carlos Cabral, Mohamed Cissé, Jone Pedro, Sebastião Quicuami, Mutua Fonseca e Leandro Conceição.
A julgar pela dimensão das duas agremiações, a discussão do título da prova maior da bola ao cesto certamente vai levar muitos aficionados da modalidade ao Rio Seco. />Meike Neves, responsável do Gabinete de Comunicação e Imagem do clube, disse que serão colocados à venda apenas 650 bilhetes, ao preço de mil kwanzas, tendo ainda garantido que foram tomadas todas as medidas de segurança.
“O pavilhão tem capacidade para 800 pessoas, mas vamos vender um número de ingressos abaixo disso, por questões de segurança. Foram  tomadas medidas, de modo a acautelar a sobrelotação do recinto ou qualquer tipo de vandalismo “, garantiu o dirigente. 
No pavilhão Multiusos do Kilamba, ao longo desta semana, o Petro de Luanda ensaiou ao pormenor as diferentes variantes, antes da deslocação ao Victorino Cunha. O aprimoramento dos ataques cinco contra cinco com circulação de bola rápida, com número reduzido de dribles.
Depois de ultrapassar o Libolo, com uma “vassourada”, a confiança num  bom resultado do plantel às ordens de Lazare Adingono, vem pela voz do experiente base Domingos Bonifácio. Para alguns dos seus companheiros esta será a primeira final.
“Estamos todos confiantes num bom resultado. É normal haver alguma ansiedade ou nervosismo, da parte de alguns colegas, sobretudo os mais novos. Eu e outros jogadores com mais experiência, estamos aqui justamente para fazer o papel de segundo treinador, dentro da quadra, sempre que for necessário”, disse.
Bonifácio recordou que, no início da época, o Petro não foi tido como provável finalista para edição'2018 do Campeonato Nacional. A meta, prosseguiu o jogador, deve-se à entrega e dedicação.
“Com muito esforço conseguimos contrariar o prognóstico de algumas pessoas. Estamos na final e queremos vencer o maior número de jogos para conquistar o título”, argumentou.   
O base Childe Dundão tem se destacado a cada jogo e pode vir a ser peça fundamental para os visitantes. Durante a meia-final, contra o Sport Libolo e Benfica, foi notória a ascensão de outros jogadores tricolores, como são os casos de Sekouba Conde, Abubakar Gakou, que hoje vão tentar seguir as peugadas de Leonel Paulo, Gerson Gonçalves “Lukeny” e Domingos Bonifácio.  


Tempo

Multimédia