Desporto

1º de Agosto fecha jornada sem hipóteses de ser líder

Honorato Silva

Com a liderança já fora das suas cogitações, nas contas dos jogos em atraso, o 1º de Agosto recebe hoje às 16h00, no Estádio Nacional 11 de Novembro, o FC Bravos do Maquis, para a conclusão da 3ª jornada do Campeonato de Futebol da I Divisão, Girabola Zap, cuja classificação é liderada de forma isolada pelo Interclube, com 22 pontos.

Zoran Maki e pupilos querem vencer e ganhar terreno às equipas do topo da classificação
Fotografia: Santos Pedro | Edições Novembro

A igualdade sem golos no sábado, diante do Petro de Luanda, no jogo 75 do clássico dos clássicos do desporto-rei em Angola, que tem agora um registo de 31 triunfos dos tricolores, 23 dos militares e 21 empates, deixa os bicampeões nacionais com hipóteses nulas, quanto às aspirações de chegar ao primeiro lugar, em caso de pleno nos quatro jogos por disputar.
Uma eventual vitória hoje, somada a um aproveitamento cem por cento positivo nos desafios frente ao 1º de Maio de Benguela (fora), Sporting de Cabinda (fora) e JGM do Huambo (casa), referentes à segunda, sexta e sétima jornadas, respectivamente, apenas coloca o 1º de Agosto a um ponto do Interclube, isso se as equipas fizerem os mesmos resultados até ao momento em que ficarem igualadas no cumprimento do calendário da competição.
Já em contagem decrescente para a estreia no Grupo de D da 22ª edição da Liga dos Clubes Campeões Africanos, às 17h00 do dia 5 de Maio, diante dos tunisinos do Étoile Sportive du Sahel, no Estádio Nacional 11 de Novembro, os militares do Rio Seco, orientados por Zoran Maki, começam um período de disputa de dois jogos por semana, com vista a acertar o passo no Girabola, uma vez ter ficado isento de competir enquanto esteve empenhado nas Afrotaças.
Mas as notas saídas do encontro com os tricolores do Catetão foram tudo, menos abonatórias para os rubros e negros, que diante de um quadro deficitário do adversário, quanto aos jogadores disponíveis, preferiu enjeitar a possibilidade de chamar a si o triunfo e, com isso, criar condições para alcançar o comandante da tabela classificativa.
Embora os teorizadores da ciência do futebol defendam a inexistência de jogos iguais, mesmo num quadro de coincidências e semelhanças, somente um 1º de Agosto capaz de ser efectivo nos últimos 30 metros de campo, no seu processo ofensivo, será capaz de ultrapassar um conjunto maquisarde bem arrumado por Zeca Amaral, técnico distinguido pela solidez e rigor táctico das suas equipas, sobretudo nos movimentos defensivos. Aliás, foi neste registo que conseguiu, em pleno Estádio 22 de Junho, acabar com a invencibilidade do Interclube.
O afunilamento das jogadas no corredor central, sempre que Geraldo, Fofó, Paizo e Isaac se revelaram impotentes para desfazer as teias armadas por Beto Bianchi nas laterais, pela eficácia de Tresor, Eddie Afonso, Francis e Manguxi, nas compensações a Mira e Ariclenes, foi a grande pecha dos militares no duelo com os petrolíferos. Várias foram as situações em que se recomendava o recurso à meia distância, mas ninguém foi capaz de se chegar à frente e assumir o ataque à baliza de Gerson, guarda-redes importunado apenas por Fofó.

Tradição de vitória
As deslocações do FC Bravos do Maquis a Luanda, para defrontar o 1º de Agosto, têm sido verdadeiras visitas de “estudo e aprendizado”, visto os resultados serem amplamente favoráveis aos donos da casa, candidatos naturais à conquista do título, a quem o empate faz mossa, a julgar pelas suas ambições. O melhor que a formação do Leste conseguiu foi quatro empates, dos quais se destaca o da época de 1999, sem golos.
No fervor dos primeiros anos de presença na elite do futebol nacional, os maquisardes conseguiram travar os militares nos dois anos seguintes, em ambos os casos por uma bola, resultado repetido em 2010. De resto, o 1º de Agosto tem superado o FC Bravos do Maquis, com naturalidade.
A terceira jornada, disputada na segunda quinzena de Fevereiro, registou os seguintes resultados: Recreativo do Libolo-Académica do Lobito (1-0), JGM do Huambo-Kabuscorp do Palanca (1-2), Interclube-Sagrada Esperança (2-0), Petro de Luanda-1º de Maio de Benguela (0-0), Domant FC-Progresso Sambizanga (1-1), Recreativo da Caála-Sporting de Cabinda (0-0) e Desportivo da Huíla-Cuando Cubango FC (3-1). As equipas anfitriãs marcaram sete golos e as visitantes quatro. 

Tempo

Multimédia