Desporto

Adeptos seguram equipa nos momentos de aperto

Os Palancas Negras contaram com o apoio de cerca de 300 pessoas, ontem no Estádio de Francistown, entre angolanos residentes na capital do Botswana, Gaberone, turistas e os 16 dos 18 presidentes das APF, mobilizados para a Claque Palanca.

Fotografia: DR

A falange de apoio incluiu alguns cidadãos zambianos e zimbaweanos residentes em Francistown, que puxarem pela Selecção Nacional.
Beatriz Antónia Manuel de Morais, embaixadora de Angola no Botswana, também marcou presença no Complexo Desportivo de Francistown.
A diplomata esteve ladeada do presidente da Federação Angolana de Futebol (FAF), Artur Almeida e Silva, Armando Machado (presidente honorário da FAF), José Carlos e Sérgio Raimundo, responsáveis do Conselho de Disciplina e do Conselho Jurisdicional do organismo reitor do futebol nacional, respectivamente .Um dos momentos marcantes e impar foi o facto da claque angolana ter cantado o Hino Nacional, em viva voz, depois de um problema técnico no aparelho de amplificação sonora do estádio. Foram bastante aplaudidos pelos tswaneses.
O ambiente nas bancadas foi vivido intensamente, sobretudo do lado dos angolanos, que puxavam pelos seus jogadores. A claque foi colocada na bancada central, enquanto os apoiantes dos anfitriões ficaram na bancada oposta e nos topos Norte e Sul.

Tempo

Multimédia