Desporto

América dá os primeiros sinais de força antes do campeonato

O Mundial é na Europa, mas é a América que vai dando os primeiros sinais de força. A 82 dias do arranque do Campeonato do Mundo de 2018, as selecções com lugar garantido na prova cumprem um dos últimos períodos de preparação para uma competição que vai ter lugar em território europeu, mais concretamente na Rússia.

Selecção francesa perdeu por 2-3, frente à Colômbia
Fotografia: DR

Numa altura em que os seleccionadores fazem os últimos retoques na folha de rascunho com os 23 nomes a levar ao Mundial, os primeiros sinais começam a ser dados nos encontros de preparação e com resultados muito curiosos, embora, reforce-se, sejam apenas jogos de cariz particular e pouco contem para aquilo que será o Mundial.

Ainda assim, entre os jogos de quinta-feira, sexta-feira e da madrugada deste sábado, há uma particularidade que salta logo à vista e que pode ser um forte indicador para os aficionados daquilo que pode ser a força do contingente sul-americano: as selecções europeias tiveram muitas dificuldades nos confrontos com as congéneres da América Central e do Sul.

Ora vejamos: em nove duelos entre Europa e América, designemos assim, apenas a Dinamarca logrou a vitória. De resto, oito derrotas para as selecções europeias e um “score” de golos também pouco vulgar (quatro golos apenas marcados pela Europa contra 18 das representantes da América).

Dinamarca e França foram as únicas a marcar

Os dinamarqueses deram o pontapé de saída neste duelo Europa vs América e venceram o Panamá (1-0). A anfitriã Rússia não resistiu ao samba do Brasil (0-3), a Argentina, sem Messi, não teve problemas para bater a Itália (2-0), que é uma das grandes ausentes do Campeonato do Mundo, a Costa Rica ultrapassou a Escócia (0-1) e a Colômbia virou o resultado de 2-0 para 2-3 frente à França. Peru e México venceram Croácia e Islândia, e o Chile a Suécia 1-2. André Carrillo, emprestado pelo Benfica ao Watford, marcou no triunfo do Peru.

Tempo

Multimédia