Desporto

Angola apresenta números abaixo da média na estreia

Em sete presenças na fase final da Taça de África das Nações em futebol, a Selecção Nacional apresenta números abaixo da média de aproveitamento, nos jogos de estreia, cuja tendência tem sido o empate.

Ambiente alegre e descontraído durante o derradeiro treino
Fotografia: José Cola | EdIções Novembro

Os 9 pontos somados em 21 possíveis dão ao futebol angolano um registo na casa dos 42,8 por cento, números afastados do rendimento médio. Com duas vitórias, três empates e duas derrotas, o país contabiliza 11 golos marcados e 11 sofridos.
A primeira vitória dos Palancas Negras, no desafio inaugural, surgiu apenas em 2008, no Ghana, na quarta participação depois do baptismo em 1996, na África do Sul. Vivia-se o período áureo do consulado de Oliveira Gonçalves, quando a equipa liderada por André Macanga, com Flávio Amado e Manucho Gonçalves letais no ataque, destroçou o Senegal, por 3-1, de forma categórica.
O segundo triunfo foi obtido em 2012, no CAN do Gabão e Guiné Equatorial, frente ao Burkina Faso, por 2-1, sob a batuta de Lito Vidigal, que em 1998 disputou a prova como jogador.
O arranque da competição com empate registou-se em 1998, no Burkina Faso. Comandados pelo português Manuel Gomes “Neca”, os Palancas Negras não foram além do 0-0, diante da África do Sul. A igualdade repetiu-se em 2010, na abertura da competição em casa, frente ao Mali, 4-4, num jogo de triste memória, sob a orientação de Manuel José, outro treinador português.
Em 2013 na África do Sul, a Selecção Nacional, treinada pelo uruguaio Gustavo Ferrin, empatou (0-0) com o Marrocos. No mesmo palco, mas na primeira presença no CAN, em 1996, às ordens do cabo-verdiano Carlos Alhinho, perdeu (1-2) frente ao Egipto.
No calor do apuramento inédito para o Mundial da Alemanha’2006, Angola foi derrotada de forma copiosa, por 1-3, pelos Camarões, que tinham o avançado Samuel Eto’o no auge da carreira.

Tempo

Multimédia