Desporto

Angola lidera lista africana de presenças em mundiais

Anaximandro Magalhães

Angola é, com seis participações, o país africano com mais presenças em Campeonatos do Mundo sénior masculino de basquetebol, cuja 18ª edição disputa-se de 31 de Agosto a 15 de Setembro, na China.

No Grupo D da fase preliminar o combinado angolano defronta a Sérvia, Itália e Filipinas
Fotografia: EDIÇÕES NOVEMBRO

O registo, se nos ativermos ao número de Afrobasket conquistados pela Selecção Nacional, 11, parece óbvio mas não o é, sobretudo por durante anos o Campeonato Africano das Nações qualificar directamente o campeão e o segundo classificado para a maior cimeira da Federação Internacional de Basquetebol Associado (FIBA).
Em ano de inéditos, com realce evidente para o aumento de 24 para 32 selecções , elevando a representatividade de países africanos para cinco, juntando a disputa, pela primeira vez da prova em oito cidades, e a introdução “pioneira” de janelas de apuramento, o “cinco” nacional não quis ficar alheio inscrevendo nos anais da história a quinta presença consecutiva, sétima no geral.
A estreia em mundiais aconteceu em Espanha, em 1986, seguindo-se Argentina (1990), Canadá (1994), Estados Unidos (2002), Japão (2006), Turquia (2010) e Espanha (2014). Em 1998, Angola não se qualificou para o Mundial da Grécia. Por em 1997, o Senegal ter-se sagrado campeão africano.
Afastado dos grandes palcos por 20 anos, o Egipto, regressado à elite da bola ao cesto em 2014, segue de perto os hendecacampeões com cinco presenças. E agora, ausente dos palcos chineses pode ver encurtar o fosso para os rivais directos.
Os faraós disputaram o primeiro Mundial, em 1950, na Argentina, sob a bandeira da República Árabe Unida, com a Síria. O Egipto esteve em 1970, na Jugoslávia, em 1990, na Argentina, e em 1994 no Canadá.
A seguir ao Egipto está a Costa do Marfim com três participações: Colômbia (1982), Espanha, 1986, e Turquia, 2010. Afastada dos grandes palanques, volvidos oito anos, os marfinenses regressam ao grupo restrito, e com isso aumentam para quatro as suas aparições.
O Senegal esteve na Itália (1978) e na Grécia (1998) e agora estará em terras do gigante Yao Ming. Estreada em solo grego, em 1998, a Nigéria também foi ao Japão, em 2006. Tal como os senegaleses os nigerianos vão em busca da terceira representação.
Estreada em 2010 e repetente em 2014, a Tunísia volta a juntar-se aos colossos continentais e mundiais.
Com uma presença cada uma, estão a República Centro Africana (Canadá 1974) e Argélia (EUA 2002). A Angola reserva-lhe ainda o histórico de ser o país africano com a melhor classificação de todos os tempos em campeonatos do Mundo.
Sob orientação de Alberto de Carvalho “Ginguba”, a Selecção Nacional foi nona classificada numa prova jogada por 24 nações.

Tempo

Multimédia