Desporto

Angola perde frente à Argélia e falha pódio

Amândio Clemente

Os Guerreiros falharam, ontem, a defesa do terceiro lugar do Campeonato Africano das Nações, ao consentir derrota, por 32-27, frente à Argélia. O percalço foi o terceiro consecutivo na competição, que encerrou hoje, no Pavilhão do Complexo Olímpico de Radès.

Fotografia: DR

Ao intervalo o “sete” nacional levava uma desvantagem de um golo, 14-15, o que indiciava uma segunda parte equilibrada, altura em que os argelinos entraram de rompante.

A postura desestabilizou a defesa dos comandados de Nelson Catito. Combativos os Guerreiros não se deixaram intimidar pelo barulho dos assobios e apupos vindos das bancadas, e mantiveram o equilíbrio na contenda, que persistiu até aos 20 minutos, altura em que os adversários conseguiram finalmente sair do “ora marco eu ora marcas tu”, desfazendo a igualdade, adiantando-se no marcador, depois dos empates aos cinco minutos, 19-19 e aos quinze, 20-20.
A partir desta altura, a selecção cometeu vários erros técnicos que foram aproveitados pelos opositores que encetaram à fuga no marcador, distanciando com 28-23, decorridos 22 minutos, vantagem que foram gerindo até ao apito final.
Os angolanos não souberam tirar partido das exclusões de dois minutos dos jogadores argelinos, que mesmo a jogarem com menos duas unidades conseguiram manter a distância no marcador entre quatro e cinco tentos, para desespero do técnico Catito e de alguns jogadores, que já trocavam palavras menos amistosas, quando as jogadas não corriam de feição. Os adeptos argelinos faziam antecipadamente a festa nas bancadas, conforme o relógio se aproximava do fim da partida.
Manuel Nascimento “Manucho” foi o melhor marcador com sete golos, seguido por Feliciano Couveiro, com cinco, produção no entanto insuficiente para evitar o desaire. Pelos argelinos destacou-se Moustapha Hadj, com cinco tentos, tendo sido eleito o melhor jogador do desafio.

Adeus de Sérgio Lopes
Sérgio Lopes, o veterano da equipa, despediu-se hoje dos colegas da Selecção Nacional e dos membros da federação banhado em lágrimas. O jogador, que foi dos menos utilizados pelo técnico Nelson Catito, coloca ponto final a uma carreira internacional iniciada em 2004, no Campeonato Africano disputado nestas paragens.
Angola ocupou a quarta posição, lugar que garante a participação no Campeonato do Mundo, no Egipto, em 2021.
Nelson Catito disse na conferência de imprensa: “falhamos o último objectivo que era a manutenção do terceiro lugar, mas saímos daqui com o sentimento de que fizemos tudo o que estava ao nosso alcance, mas não conseguimos. Vamos continuar a trabalhar para os próximos objectivos”, disse.
Questionado se continuaria caso fosse convidado pela federação, afirmou: “de bom grado, porque qualquer treinador gostaria de estar num Mundial. É sempre bom estar numa competição deste nível. Claro que aceitaria”, concluiu.
O atleta Edvaldo Ferreira “Moreno” disse: “lutamos e tudo fizemos para ganhar. Foi difícil e temos de felicitar o adversário pela vitória. Vamos analisar tudo o que aconteceu, durante a preparação e na competição. Agradecer ao treinador pela forma como lidou connosco”, rematou.

Tempo

Multimédia