Desporto

Angola vence Espanha em Montreux

Armindo Pereira

A Selecção Nacional sénior masculina de hóquei obteve um feito histórico, ao derrotar hoje a Espanha, por 4-3, na primeira jornada do Grupo A, na 68ª edição do Torneio Internacional de Montreux, a decorrer na Suíça, até domingo.

Combinado nacional vence pela primeira vez o conjunto europeu e protagoniza supresa
Fotografia: José Cola | Edições Novembro

O combinado espanhol esteve a vencer, por 2-1, com “bis” de Sergi Lorca e um tento do avançado angolano Anderson Silva “Nery”. Martí Casas ampliou para a formação ibérica (2-3), numa altura que denominava a partida.
No entanto, a Espanha não conseguiu gerir o resultado, depois da reacção angolana com os dois tentos do veterano Martín Payero, que igualou a contenda (3-3), resultado que prevaleceu até ao intervalo. Na segunda metade, houve muita intensidade de ambos os conjuntos, mas o primeiro sinal de golo iminente foi dado pelo combinado nacional, para minutos depois Martin Payero desferir um forte remate que só parou no fundo da baliza à guarda de Candid Ballart.
O hat-trick do jogador angolano garantiu a vitória histórica sobre os campeões do mundo e consequentemente o primeiro lugar no grupo, com três pontos.
O seleccionador nacional, Fernando Fallé apostou em Francisco Veludo, André Centeno, Diego Adilson, Anderson Silva “Nery”, João Pinto (cinco inicial) e posteriormente em Humberto Mendes “Big” e Martín Payero.
A Espanha saiu com Càndid Ballart, Sergi Llorca, Sergi Aragonès, Jordi Burgaya, Marc Julià. No segundo tempo César Carballeira, Sito Ricart, Marc Grau e Martí Casas foram igualmente utilizados.
Portugal é o adversário da segunda jornada, hoje, às 16h00. O grupo B do Torneio das Nações é composto pela Argentina, detentora do troféu, ao lado da Itália e França, respectivamente terceira e quarta classificadas no último Campeonato Europeu.
Em 2013, Angola ficou com o terceiro lugar do pódio em Montreux, após vencer a Alemanha, dois anos depois desceu uma posição.
Nos dez encontros entre a Selecção Nacional e a Espanha, o combinado europeu venceu todos. O desafio mais equilibrado aconteceu em 2015, no mundial de França, em La Roche Sur Yon, no Pavilhão de Vendeespace. A Selecção perdeu, por 3-1, após a marcação de grandes penalidades, fruto da igualdade a uma bola registada no tempo regulamentar.

Triunfo do trabalho de continuidade de décadas

Em declarações ao Jornal de Angola, a partir do palco da competição, Pedro Azevedo “Chipita”, vice-presidente da Federação Angolana de Patinagem (FAP), disse que a vitória é sinónimo de algum esforço e trabalho que tem sido feito pelo pelouro liderado por Hirondino Garcia.
“É uma vitória de um trabalho que vem de outros mandatos, especificamente desde 1982,altura que começámos a nossa trajectória na Taça das Nações, em Montreux. Com o passar dos anos melhorámos a nossa qualidade de jogo e capacidade de competição, e hoje com mérito para o treinador e jogadores conseguimos evidenciar a nossa capacidade de organização e a união deste grupo”, disse.
O dirigente recordou ainda o quinto lugar no Mundial da China, em Nanjing, a melhor classificação de sempre, bem como o Campeonato Africano, que decorreu Março passado no Multiusos do Kilamba.
Pedro Azevedo falou sobre a necessidade de haver o apoio que a Federação precisa das instituições do Estado, bem como de potenciais patrocinadores, de modo a garantir a continuidade do trabalho, tendo em vista os próximos compromissos internacionais, com realce para o Mundial de Barcelona, em Junho próximo.
“É muito esforço para poucos recursos, e nós pretendemos fazer mais. É preciso que o Estado, o Ministério da Juventude e Desportos olhem mais para as outras modalidades que levam o nome de Angola além fronteiras”, argumentou.

Tempo

Multimédia