Desporto

Angola deseja repetir proeza na África do Sul

Armindo Pereira

A Selecção Nacional de Pesca Desportiva regressa à África do Sul, em Sodwana Bay (Durban), para disputar, de 9 a 16 de Fevereiro, a 28ª edição do Campeonato do Mundo da modalidade de Alto Mar, palco onde conquistou,  em 2008, o primeiro dos quatros títulos, ao lado dos anfitriões, Espanha, Portugal, Suíça e México.

Em declarações à imprensa, na última quarta-feira, Rogério Matos, vice-presidente da Federação Angolana de Pesca Desportiva, acredita no trabalho do capitão e seleccionador nacional, Horácio de Pina, cujo objectivo  é fazer igual ou melhor em relação à presença no Mundial de Portugal, há dois anos.
Onze anos depois, o grupo regressa confiante mas consciente de que será visto como alvo a abater, desde a altura do primeiro feito, em Rihards Bay. Por seu turno, o técnico disse que o grupo segue viagem no próximo dia três de Fevereiro, mas com algumas limitações em relação às últimas participações em que venceu, tudo porque os anfitriões solicitaram à Federação Internacional da modalidade que alterasse a técnica de captura que até então era usada na prova, dominada pelos angolanos.
“Deste modo, selecções que não nos faziam frente em edições anteriores, desta vez, passam a ser de respeito. Estou a falar de Espanha, Portugal e, fundamentalmente, da África do Sul, que conhece bem as suas águas e soube impor à Federação Internacional um regulamento específico que os beneficiasse, de acordo com a sua forma de captura do pescado", explicou.
Das sete participações em Campeonatos do Mundo, Angola conquistou quatro. Estes indicadores servem de incentivo ao grupo, de acordo com Horácio Pina, tendo reafirmado que o objectivo é competir para conquistar o título, num palco de boas memórias. 
A presença de Angola no certame está orçada em 30 mil euros. Decisões tomadas à última da hora possibilitaram ao combinado nacional confirmar presença no evento.
No entanto, a comitiva aguarda pela autorização do Ministério da Juventude e Desportos para a transferência do montante para o palco do evento.
"Este valor é para cobrir a compra dos bilhetes de passagem, hospedagem, aluguer dos barcos e taxa de inscrição. O dinheiro está disponível em kwanzas, e estamos à espera da autorização do Ministério da Juventude e Desportos para a transferência em euros, junto do banco", disse Rogério Matos.
Dividida em duas, a Selecção Nacional conta com os pescadores Marco Couto, Carlos Louro, Marco Queirós (equipa A), Luís Mateus, Jú-lio Rocha e Airton Moreira (equipa B). É a oitava vez que o país participa nesta prova, depois de ter-se sagrado campeão na África do Sul (2008), Brasil (2014), Angola (2015) e Portugal (2017).

Tempo

Multimédia