Desporto

Angola tenta contrariar favoritismo da Espanha

A Selecção Nacional sénior feminina de andebol tenta, hoje às 20h30, uma vitória inédita frente à Espanha, na cidade alemã de Trier, em jogo a contar para a primeira jornada do 23.º Campeonato do Mundo. Com desempenho relevante nas últimas competições europeias, mundiais e olímpicas, as espanholas são favoritas ao triunfo, embora estejam cautelosas.

Morten Soubak pode ter escondido o jogo das Pérolas nos últimos desafios de preparação
Fotografia: Rogério Tuti | Edições Novembro


O histórico de confrontos entre as formações mostra clara vantagem do combinado europeu, com vitória no último jogo (26-22), nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, de 2016. Carlos Viver substituiu Jorge Duenas, no comando técnico da selecção espanhola, pouco tempo depois da prova olímpica, enquanto Morten Soubak entrou para a liderança das angolanas, cargo ocupado por Filipe Cruz até ao último CAN feminino, em Dezembro de 2016.
Na rota para o Campeonato do Mundo, “as guerreiras” (designação do conjunto europeu) encerraram a preparação com vitória contundente sobre a Ucrânia, por 33-14, na derradeira jornada do Torneio Internacional de Melilla, prova que contou igualmente com a participação das selecções da Argentina e do Japão.
O último teste de Angola foi com a França, adversário de amanhã, com derrota por 18-30. O facto de jogar com um oponente da mesma série preliminar pode ter levado a dupla técnica Morten Soubak e Alex Aprille a mascarar um pouco as suas ideias de jogo e não conseguir, deste modo um bom resultado.
Para mais logo, a antiga jogadora portuguesa de origem cabo-verdiana, Alexandrina Barbosa, deve ser uma das principais armas apontadas à baliza angolana. A rapidez das acções e a qualidade técnica individual da lateral esquerda espanhola tem bastante peso no rendimento do grupo, onde se destaca ainda a veterana guarda-redes Silvia Navarro e a central Nerea Pena.
   
Força do colectivo />Isabel Guialo “Belinha” e Albertina Kassoma devem ser as principais referências no ataque do combinado nacional, com a pivô do 1.º de Agosto a jogar também importante papel nas acções defensivas. Para vencer, Angola vai precisar de atacar com o mínimo de erros técnicos e assegurar eficácia na recuperação defensiva.
À entrada da prova, o treinador espanhol considera que a sua equipa se encontra bem em quase todos aspectos do jogo, sobretudo na defesa. “Já apresentamos um nível muito bom”. Morten Soubak reconhece a qualidade técnica da Espanha, ressaltando o seu bom desempenho em todas competições, mas acredita numa reacção positiva das suas jogadoras, nessa partida inaugural.  
A Espanha vai alinhar com as seguintes jogadoras: Silvia Navarro e Darly Zoqbi (guarda -redes), Silvia Arderius e Nerea Pena (centrais), Mireya Gonzalez, Almudena Rodriguez e Seynabou Mbengue (laterais direitas), Lara Gonzalez, Ivet Musons e Alexandrina Barbosa (laterais esquerdas), Carmen Martin e Maitane Etxeberria (pontas direitas), Jennifer  Gutierrez e Amaia Garibay (pontas esquerdas) e Maria Nunez, Eli Chavez e Paula Garcia (pivôs).  
Cristina Branca e Marta Alberto (guarda-redes), Albertina Kassoma e Ríssia Oliveira (pivôs), Natália Kamalandua, Iracelma Silva, Janeth Santos e Vilma Silva (pontas) Magda Cazanga, Manuela Paulino, Juliana Machado e Aznaide Carlos (meia- distâncias laterais) Dalva Perez, Helena Paulo, Isabel Guialo e Vilma Neganga ( meia-distâncias centrais) são as escolhas de Morten Soubak.

Tempo

Multimédia