Desporto

Angolanos revelam défice no início da fase de grupos

Honorato Silva

A inédita dupla presença de Angola na fase de grupos da 24ª edição da Liga dos Clubes Campeões Africano de futebol, por intermédio do 1º de Agosto e do Petro de Luanda, está aquém dos objectivos traçados pelas respectivas direcções, que ambicionam a presença nos quartos-de-final.

Formação rubro e negra soma apenas um ponto em duas partidas disputadas na Série A
Fotografia: Vigas da Puririficação | Edições Novembro | Huíla

Tetracampeões do Girabola, os militares do Rio Seco foram, nas duas jornadas disputadas no Grupo A, uma equipa pouco consistente para as exigências da grande montra dos clubes do continente. Em seis pontos possíveis, a equipa orientada pelo bósnio Dragan Jovic somou apenas um, safra que perfaz um aproveitamento de 16,66 por cento, défice aliviado pelo facto de a prova estar num período embrionário. Depois do empate (1-1) na estreia em casa, diante do Zesco United da Zâmbia, os rubro e negros foram à cidade do Cairo deixar uma imagem nada condizente com o prestígio granjeado na prova, em função da boa campanha assinada em 2018, saldada na disputa das meias-finais. A derrota (0-2), sábado na visita ao Zamalek do Egip-to, mostrou o rosto triste do 1º de Agosto. A equipa colocada em campo para contrariar o favoritismo dos egípcios, que ambicionavam sacudir a crise de resultados e acalmar os seus exigentes adeptos, foi dominada com facilidade. A falta de pressão ao adversário após a perda da bola, sobretudo no meio campo, sector entregue a Ibukun e Bua, jogadores sem rotinas no tampão defensivo, simplificou a tarefa aos donos da casa. Com Mabululu perdido entre os centrais, as poucas vezes que os pupilos de Jovic chegaram com perigo à área adversária resultaram de rasgos individuais de Ary Papel, o mais inconformado, Natael, muito apegado à bola, e Bua, médio de embalo ofensivo. A julgar pelo futebol produzido, o 1º de Agosto precisa de mais futebol para encontrar o trilho do apuramento, dada a última posição que ocupa na série.

Ambiente estranho
Ausente da Liga dos Clubes Campeões há 18 anos, depois de ter disputado as meias-finais, o Petro de Luanda tem enfrentado as mesmas dificuldades no Grupo C. Recebido de forma “inamistosa” pelo Mamelodi Sundowns da África do Sul, com expressivos 3-0, a formação tricolor às ordens do espanhol Antonio Cosano conseguiu evitar a derrota diante dos seus adeptos, à hora do almoço. Aparentemente mais afectados pelo calor das 14h00 que os argelinos do USMA, os petrolíferos precisaram de estar em desvantagem no marcador para colocar em campo uma postura diferente do seu habitual registo no Girabola. O empate (1-1) acabou por premiar a resposta tardia do embaixador angolano, último colocado, um ponto, com quatro golos sofridos em duas jornadas. À semelhança do 1º de Agosto, que tem uma empreitada difícil na próxima ronda, ao receber a 27 de Dezembro o TP Mazembe do Congo De-mocrático, o Petro de Luanda está obrigado a fazer pela vida na deslocação ao reduto do Wydad Casablanca do sérvio Zoran Maki, técnico detentor de um vasto conhecimento do futebol angolano, por ter passado nove anos no Girabola.

Colossos confirmam favoritismo com domínio da concorrência
No Grupo A, o TP Mazembe, colosso de Lubumbashi que celebra 80 anos de existência, revela pouca sensibilidade para desperdício de pontos. Ao sinal de pujança, 3-0, dado na estreia frente ao Zamalek, juntou outro triunfo esclarecedor (2-1), na visita ao Zesco United, com nova exibição de gala do promissor Jackson Muleka, autor de quatro golos em duas jornadas. Cem por cento vitorioso está também o Étoile du Sahel da Tunísia, no Grupo B, após derrotar em Harare o FC Platinum do Zimbabwe, por 3-0, ao passo que o favorito Al Ahly do Egipto somou os primeiros três pontos, com o triunfo (2-1) diante do Al-Hilal Omdurman do Sudão. O Mamelodi Sundowns conservou a liderança no Grupo C, ao empatar (0-0) no terreno do Wydad Casablanca. No D, o Esperance de Tunis, bi-campeão africano, chegou aos seis pontos, mercê da vitória (1-0) diante do JS Kabylie da Argélia, numa jornada em que o Raja Casablanca venceu (1-0), no terreno do AS Vita Club do Congo Democrático. A terceira ronda da prova reserva ainda, para o período natalino, os jogos Zesco United – Zamalek (Grupo A), Al Ahly – FC Platinum e Étoile du Sahel – Al-Hilal Omdurman (B), USMA – Mamelodi Sundowns (C), Esperance de Tunis – AS Vita Club e Raja Casablanca – JS Kabylie (D).

Tempo

Multimédia