Desporto

Atletas da Selecção Nacional de futsal reclamam prémios

António Cristóvão

Os atletas da Selecção Nacional sénior masculina de futsal reclamam pelo pagamento de ajudas de custos diárias pela estadia na cidade de Laâyoune, Marrocos, palco do Campeonato Africano das Nações (CAN), de 28 de Janeiro a 7 de Fevereiro do corrente ano.

Equipa conquistou em Fevereiro medalha de bronze no Campeonato Africano das Nações
Fotografia: Dombele Bernardo | Edições Novembro

Além das diárias, os 14 jogadores que integraram o “cinco” nacional exigem também a liquidação de prémios de jogos e de qualificação ao CAN.

“Antes de viajarmos, reunimos com a Federação Angolana e prometeram-nos pagar três prémios, se ficássemos no terceiro lugar do campeonato. Até agora, não nos deram nada”, disse um dos atletas que solicitou anonimato.

O grupo fez saber que cada jogador recebeu da Federação 90 mil kwanzas, após o jogo com a Zâmbia, referente à primeira e única eliminatória de apuramento à fase final do CAN de Marrocos.

O presidente da Federação Angolana de Futebol de Salão (Fafusa), Noé Alexandre, garantiu que o organismo que dirige já saldou todas as obrigações financeiras com os atletas.

“Não há neste momento dívidas relacionadas com subsídios de viagem, mormente, as diárias durante todo o percurso. Desde os jogos da eliminatória e concomitante ao CAN, a Federação cumpriu integralmente tudo que prometeu. Arranjámos o mínimo para agradar os nossos rapazes em função dos resultados”, sublinhou.

Questionado sobre o prémio de terceiro lugar obtido no Campeonato Africano, Noé Alexandre disse que toda a documentação está no Ministério da Juventude e Desportos, que deve dar solução à questão.

“Estamos a trabalhar nesse sentido. A lista de jogadores está no Ministério e vamos aguardar para a recepção das verbas de qualificação ao Campeonato do Mundo”, disse o responsável federativo.

Contactado ontem pelo Jornal de Angola, o Director Nacional para a Política Desportiva (DNPD), Nicolau Daniel, disse que os pagamentos referentes ao período de 2019 a 2020 às federações nacionais serão regularizados após o Ministério das Finanças disponibilizar o dinheiro.

“A prioridade foi para os pagamentos de prémios em dívida de 2012 a 2018. Os restantes serão remunerados, quando tivermos disponibilidade financeira”, esclareceu.

Nicolau Daniel assegurou que já foram pagas todas as dívidas referente ao período de 2012 a 2018.

Candidatura
Questionado sobre a recandidatura, Noé Alexandre confirmou que vai concorrer para mais um mandato na Federação.

“Acordei e pensei em recandidatar-me para mais um ciclo olímpico. Já me sinto satisfeito pelo que fiz, mas somos humanos e queremos sempre mais”, disse.

O presidente da Fafusa fez saber que, após a divulgação oficial da recandidatura, vai apresentar a lista com a integração de novos rostos.

Angola foi terceira
No Campeonato Africano, Angola ocupou a segunda posição do Grupo B com seis pontos, atrás do Egipto na primeira com nove. A Guiné classificou-se no terceiro lugar com três pontos e Moçambique ficou no quarto e último posto do grupo sem pontuar.

O “cinco” nacional venceu a Líbia por 2-0, na Arena Hizam Hall, na cidade de Laâyoune, em jogo para a classificativa do terceiro lugar. Com este resultado, a Selecção Nacional qualificou-se para o Campeonato do Mundo a ter lugar de 12 de Setembro a 3 de Outubro de 2021 na Lituânia. A competição deveria ser disputada nas mesmas datas no ano corrente, mas foi transferida, devido à pandemia do novo coronavírus, a Covid-19.

A Selecção Nacional foi considerada equipa “Fair Play”. Para o africano, o técnico Benvindo Inácio levou os guarda-redes Neblú e Chico, os alas Dabino, Léu, Nonó, Dias, Nuno, Jó e Bebucho, bem como os fixos Man-Tó, Mano Sele e Osnã.

Nas vestes de anfitrião, Marrocos conquistou o título após golear na final a similar do Egipto, por 5-0, na Arena Hizam Hall, em Laâyoune. Antes, no mesmo recinto, os marroquinos vergaram, 4-0, os angolanos nas meias-finais.

Tempo

Multimédia