Desporto

Ausência de guia deixa treinador preocupado

António Cristóvão

O treinador José Manuel “Zeman” mostrou-se preocupado, hoje, com ausência do guia do velocista José Chamoleia, da classe T 11 (deficiente visual total), Nicolau Palanca, durante as sessões de treinos da Selecção Nacional de atletismo, em ambos sexos, que se prepara para o “Meeting de São Paulo, Brasil, de 26 a 28 de Março.

Guias influenciam no desempenho dos atletas invisuais
Fotografia: Nuno Flash | Edições Novembro

A prova é qualificativa para a XVI edição dos Jogos Paralímpicos de Tóquio, Japão, de 25 de Agosto a 6 de Setembro. “Já fizemos várias tentativas para localizá-lo e nada até ao momento. Falámos com alguns familiares e nada. Não sabemos o que se passa com Nicolau Palanca”, disse o técnico, surpreendido com a atitude do atleta do Interclube.

“Zeman” Manuel.

O treinador lamenta ausência constante do guia nas sessões de treino, e considera-o um dos pilares do velocista José Chamoleia durante a preparação e nas provas.
“Está a fazer muita falta ao treino, porque é o único que consegue conduzir José Chamoleia. Pedimos encarecidamente ao clube para a cedência do atleta”, declarou ao Jornal de Angola.
“Gostaria que ele (Nicolau Palanca) aparecesse e se justificasse. O Interclube, felizmente, é um clube que tem cedido o atleta sem nenhum problema. Agradecemos ao Interclube”, finalizou.
António da Luz, secretário-geral do Comité Paralímpico Angolano (CPA), reconheceu, hoje, que a instituição que dirige atrasou em enviar a solicitação de dispensa do atleta ao Interclube.
O guia Pierot Ngoy foi dispensado pelo corpo técnico, e deve regressar a Luanda na segunda semana de Março, para reintegrar os trabalhos da Selecção Nacional. Além de atleta, Pierrot Ngoy é residente e funcionário público na cidade do Huambo.

Tempo

Multimédia