Desporto

Inicia corrida à China

Anaximandro Magalhães

Angola abre hoje às 18h00, diante de Marrocos, um pêlo por desencravar, o longo percurso rumo à qualificação para a disputa da 18.ª edição do Campeonato do Mundo sénior masculino de basquetebol, a decorrer de 31 de Agosto a 15 de Setembro de 2019, na China.

Fotografia: Kindala Manuel|Edições Novembro

Depois da derrota por 53-60, sofrida na fase preliminar do Campeonato Africano das Nações, Afrobasket, jogado este ano no Senegal e Tunísia, quis o destino que angolanos, anfitriões do evento, e marroquinos voltassem a testar competências na primeira volta do Grupo C do Torneio Africano de Qualificação.
Com um fio cravado na pele desde Setembro, o \"cinco\" nacional tem oportunidade ímpar de desforrar no Pavilhão Multiusos do Kilamba, onde são esperados mais de 11 mil espectadores, o percalço sofrido na cidade de Dakar há sensivelmente dois meses e meio.
E, para celebrar, nada melhor que o brinde revestido em bola reconciliadora com os seus adeptos, desejosos de ver a equipa jogar em casa, dez anos depois da disputa de uma prova oficial organizada pela FIBA-África no país, o Afrobasket’2007, o primeiro e único jogado em cinco cidades sede, Luanda, Huambo, Benguela, Cabinda e Huíla. O histórico favorável, pois em nove desafios ganhou sete (82-61, 90-50, 75-43, 108-58, 75-61, 95-73 e 68-67), permite atribuir ligeiro favoritismo à Selecção Nacional, 11 vezes campeã africana.

Pouca diferença
O último triunfo (em 2015) menos expressivo recomenda o recurso à prudência na abordagem do encontro perante aquele que vem se mostrando ser, nos últimos anos, o opositor em maior crescimento do Grupo C, onde também perfilam as selecções do Egipto e Congo Democrático.
A exibição de há dois anos e particularmente deste eleva a confiança, permitindo ao segundo campeão da história da competição (em 1965), aspirar à conquista da terceira vitória frente aos angolanos, pois a primeira (81-67), foi alcançada no longínquo ano de 1980, em casa, na cidade de Rabat.
Galvanizados com a chegada do norte-americano William Bryant Voigt, os jogadores estão focados e determinados em mostrar à nação que falha no resgate do título foi uma mera contrariedade nas suas pretensões.
Voigt e pupilos, tal como o seleccionador marroquino e jogadores, querem começar da melhor maneira, para deste modo encurtar o percurso rumo a materialização do desiderato. 
Por Angola, Carlos Morais, extremo de 1,93 metros, neste momento ao serviço do Sport Lisboa e Benfica, é a principal referência do grupo, seguido de outro colega de posição, Olímpio Cipriano, 1,92 metros, do Libolo. Nos tunisinos, Reda Ali Harras e Abdelhakim Zouita são os jogadores mais referenciado.

Tempo

Multimédia