Desporto

Olímpio Cipriano aquém da expectativa

Anaximandro Magalhães |

Um dos dois principais esteios da Selecção Nacional sénior masculina de basquetebol, o extremo Olímpio Cipriano, 1,92 metros continua muito aquém das expectativas e das qualidades já demonstradas noutras edições de Afrobasket.

Carlos Morais tem sido o “abono de família” da selecção
Fotografia: Kindala Manuel | Edições Novembro | Tunis

O jogador, de 35 anos, que se presume estar a disputar a sua última prova africana tem-se apresentado muitos furos abaixo das suas reais capacidades. Em três partidas, Cipriano marcou 17 pontos, o correspondente a uma média de 5,7 pontos por jogo.
No total, o atleta ligado contratualmente ao Recreativo do Libolo, equipa campeã nacional, alinhou durante 24,9 minutos dos 125 que a Selecção Nacional dispôs até ao momento, tendo em vista o recurso ao tempo extra, na partida diante do Uganda, a quem venceu por 94-89, depois da igualdade a 84 pontos, no final dos 40 minutos regulamentares. Cipriano ocupa a 77.ª posição na lista dos melhores cestinhas do campeonato.
Por sua vez, o extremo Carlos Morais, 1,93 metros, outra figura de destaque do “cinco” nacional, às ordens do seleccionador nacional, Manuel Silva “Gi”, tem feito jus a essa condição. Morais, apesar de ainda não se ter exibido a 90 por cento das suas aptidões, tem sido o “abono de família” dos hendecacampeões.
De 33 anos, Carlos Morais, eleito Melhor Jogador (MVP) do Afrobasket´2013, na cidade de Abidjan, Costa do Marfim, é o sétimo da lista geral, com 47 pontos, e 15,7 de média por desafio. A lista é liderada pelo nigeriano Ike Diogu, com 67 pontos.
O capitão da selecção soma 30,6 minutos, sendo por isso o mais utilizado da equipa nacional.

Tempo

Multimédia