Desporto

Quezada complica contas ao Petro

Armindo Pereira

O 1º de Agosto forçou o sexto jogo da final dos play-offs da final do Campeonato Nacional sénior masculino de basquetebol, ao derrotar ontem o arqui-rival Petro de Luanda, por 101-100, no Pavilhão Victorino Cunha, e reduziu para 3-2 a diferença na série, numa partida marcada pelo equilíbrio nos instantes finais.

Militares vão tentar ganhar e levar a decisão para a disputa de uma finalíssima no domingo
Fotografia: Contreiras Pipa | Edições Novembro

Emmanuel Quezada voltou a ser o principal artífice desta vitória da turma militar , ao anotar 42 pontos, a sua maior cifra nesta etapa final do nacional da bola ao cesto. Cientes da pouca margem para cometer erros, como fez questão de frisar o técnico Paulo Macedo, os militares assumiram as rédeas do jogo no primeiro quarto, contrariamente aos jogos anteriores.
O conjunto tricolor abdicou do jogo exterior, optando por fazer penetrações na zona restritiva. Com esta táctica, os pupilos de Paulo Macedo conseguiram lograr pontos e arrancar faltas nos jogadores chaves do adversário.
Mas o jogo exterior dos campeões nacionais esteve em "dia sim", e venceram o primeiro quarto (32-20). Os tricolores entraram com outra dinâmica ofensiva, ganharam algum fôlego em busca do equilíbrio. Leonel Paulo, Benvindo Quimbamba e Hermenegildo Mbunga faziam a diferença no ataque.
O segundo quarto terminou igualado no parcial a 26 pontos, mas a vantagem pendeu para os donos da casa (58-46) no intervalo. No reatamento, o 1º de Agosto foi forçado a cometer erros ao ataque, situação que Paulo Macedo corrigiu em tempo oportuno.
A partida passou a ter a toada ora marcas tu ora marco eu. Além da vantagem relativamente folgada, por 83-70, no final do terceiro quarto, Paulo Macedo procurava gerir a situação dos jogadores com três faltas, casos de Eduardo Mingas, Edson Ndoniema, e Emmanuel Quezada.
Quando tudo parecia resolvido para os militares, os tricolores optaram por um jogo mais cauteloso e recuperaram o resultado para o delírio da sua massa associativa. Adingono lançou para a quadra Olímpio Cipriano e Carlos Morais, jogadores com capacidade para segurar a partida em momentos mais delicados.
Morais colocou a sua equipa a vencer por um escasso pontos (100-99), mas na resposta os anfitriões passaram á frente no marcador com dois pontos de Felizardo Ambrósio "Miller". Na transição para o ataque, Andre Harris fez um desarme faltoso a Olímpio Cipriano, em acto de lançamento.
Se por um lado Quezada foi o obreiro da vitória militar, Olímpio Cipriano teve nas mãos a possibilidade de garantir o título tricolor, mas falhou os dois lances livres a que teve direito a cinco segundos do fim da partida, o que permitiu aos detentores do título manter em acesa a esperança de revalidação.
O experiente jogador, muito desolado com os falhanços, recebeu palavras de conforto dos seus colegas de equipa e do 1º de Agosto.
Sexta-feira, as duas equipas voltam a medir forças no Pavilhão da Cidadela.

Tempo

Multimédia