Desporto

Senhoras do Interclube vencem Taça de Angola em basquetebol

Armindo Pereira

A equipa do Interclube conquistou ontem a 21ª edição da Taça de Angola em basquetebol sénior feminino, ao derrotar o 1º de Agosto, por 81-64, no Pavilhão Gimnodesportivo da Cidadela, com favorável 47-29 ao intervalo.

Comandadas de Apolinário Paquete fizeram a festa no Pavilhão Gimnodesportivo da Cidadela
Fotografia: m.machangongo | Edições novembro

Com um arranque pouco produtivo, com marcações cerradas de parte a parte, foi o Inter que aos poucos começou a acertar o seu jogo ofensivo, com as habituais protagonistas a fazerem a diferença, Italee Lucas, Pauline Akonga e Robyn Parker. Insatisfeito com a postura ofensiva da equipa, o técnico Jaime Covilhã solicitou desconto para fazer os acertos que se impunham.
O jogo ganhou outra dinâmica, as militares conseguiram recuperar e assistia-se a um desafio com a toada ora marcas tu ora marco eu. A trinta segundos do final do primeiro período, as duas equipas estavam empatadas a 19 pontos.
Numa jogada de dois pontos e falta, cujo lançamento foi convertido, a extremo base norte-americana Elonu Adaora conseguiu colocar as militares em vantagem (22-19) ao cabo dos primeiros dez minutos, referentes ao quarto inicial.
As pupilas de Apolinário Paquete regressaram melhor do curto intervalo, e voltaram a recuperar a liderança, fruto da maior acutilância em termos ofensivos. Do lado contrário, o timoneiro rubro e negro respondeu com mexidas e relançou a poste Ngiendula Filipe para o lugar de Cristina Matiquite.
O conjunto afecto ao Ministério do Interior conseguia com relativa facilidade livrar-se das marcações e encontrar uma companheira em condições de lançar quer à curta, quer à longa distância. Enquanto isso, os lançamentos das jogadoras do 1º de Agosto esbarravam no aro e no ressalto a bola ficava com o adversário.
O apagão ofensivo preocupava cada vez mais Jaime Covilhã, que não conseguia encontrar soluções para travar a ascensão do adversário, que teve no jogo colectivo a sua principal arma.
Pouco antes do intervalo, Paquete deixou de contar com os préstimos da poste Felizarda Jorge. A jogadora saiu da quadra a contorcer-se com dores no pulso direito, fruto de um choque com uma adversária.
O abrandamento ofensivo do 1º de Agosto era por demais evidente, ao contrário do Interclube que somava e seguia. As duas formações foram para o intervalo maior com vantagem para as polícias (47-29), que se traduziu num parcial de 28-8.
No terceiro quarto o 1º de Agosto apareceu mais revigorado, jogava de igual para igual. Quem não gostou deste equilíbrio foi Apolinário Paquete, que chamou as suas jogadoras, numa altura em que havia sofrido 11 pontos e marcado apenas quatro.
A reentrada de Felizarda Jorge trouxe outra dinâmica às polícias que conseguiram manter a consistência necessária e manter a vantagem da casa dos dois dígitos . As militares venceram no parcial, por 17-14, mas perderam no global, por 61-46, o terceiro quarto.
Com os níveis de confiança em alta, as polícias continuaram a abordar o jogo com a mesma determinação, ao passo que as militares tentavam remar contra a maré sem sucesso.

 

 

Tempo

Multimédia