Desporto

Taça de Angola com jogos a doer

Anaximandro Magalhães |

Interclube-Petro de Luanda e 1º de Agosto-Atlético Sport Aviação (ASA), disputam hoje às 18h00, nos pavilhões 28 de Fevereiro e Victorino Cunha, a primeira de duas mãos referente aos quartos-de-final da 27ª edição da Taça de Angola em basquetebol sénior masculino.

Taça de Angola promete grandes emoções
Fotografia: José Soares

Com cariz de finais antecipadas, os quatro intervenientes sabem que para chegarem as meias-finais da segunda maior competição do calendário de provas da Federação Angolana de Basquetebol (FAB), é imperioso ganhar pela maior diferença pontual de modo a entrarem confortáveis no jogo decisivo, agendado para 17 do corrente.
A partida entre Interclube, às ordens do português Alberto Babo, e Petro Atlético, o­rientado pelo camaronês Lazare Adingono, é de desfecho imprevisível e repartidas em cinquenta por cento as probabilidades de vitória para cada uma das  formações.
O equilíbrio registado nos jogos entre ambos esta temporada reforçam e muito esta  teoria, razão pela qual nem o estatuto de detentor da Taça atribui favoritismo ao Petro. Na primeira volta do Campeonato Nacional, os petrolíferos vergaram por 90-71, os polícias. Na segunda volta, Babo e pupilos redimiram-se, desfeiteando por 99-85, Adingono e atletas.
Esta noite, na primeira parte da eliminatória haverá com toda a certeza desempate neste número. Em igualdade de circunstâncias, pois nenhuma das equipas tem jogadores lesionados, Inter e Petro dispõe de argumentos suficientes para arrastarem a decisão do resultado até à ponta final dos 48 minutos reservados para o tira-teimas. Roberto Fortes, Leonel Paulo, Domingos Bonifácio, Hermenegildo M'bunga, Jason Cain, e o irreverente e inusitado Emanuel Amauris "Manny Quezada", são os trunfos dos tricolores do Eixo Viário para desfeitear os propósitos de Miguel Kiala, Paulo Barros "Márcio", e os norte-americanos Kelvin Foster, Quintrell Thomas, todos ao serviço do conjunto afecto ao  Ministério do Interior. No outro encontro, os militares, detentores do maior palmarés desta competição, com 13 troféus, são favoritos ante os aviadores. Apesar de na escala de verosimilhanças estar acima do seu opositor, o técnico da equipa do Clube Central das Forças Armadas Angolanas, Paulo Macedo, está avisado de que facilitar e encarar o desafio em bicos de pé pode ser prejudicial. Carlos António Diniz, treinador da equipa do aeroporto, parte em desvantagem mas confiante, sobretudo pelo resultado conseguido na primeira volta, onde surpreendentemente vergou por 79-73, o colosso 1º de Agosto.
Diferenciados pela qualidade dos recursos humanos, pois os atletas agostinos são superiores em termos de técnica individual aos do ASA, tudo faz querer que com maior ou menor dificuldade os rubro e negros vençam. Na segunda volta do nacional maior, Macedo e jogadores derrotaram por 87-65, Diniz e discípulos. Esta noite, ainda privado dos préstimos do influente base norte-americano, Cedrick Isom, o 1º de Agostos vai apostar na capacidade de desequilíbrio de Armando Costa, Felizardo Ambrósio, Re­g­gie Moore, Edson Ndoniema, Hermenegildo Santos e Roderick Nealy, para desestabilizar os irreverentes Mayzer Alexandre, Manuel Mariano, Carlos Cabral, Cristóvão Oliveira, Wilson Carvalho dentre outros.
Ainda hoje, tarefa facilitada têm os campeões nacionais, Recreativo do Libolo, e o Progresso do Sambizanga, que defrontam às 18h00 e 16h00, o Sporting de Benguela e o modesto Sporting Petróleos do Bié, partidas agendadas para o Pavilhão Dream Space e do Sporting.

Tempo

Multimédia