Desporto

Campeão intruso regressa após época na Segundona

Anaximandro Magalhães

Campeão intruso em 1983, e terceiro da história do Girabola,o 1º de Maio de Benguela, um dos clubes mais tradicionais da prova está de regresso à elite do futebol angolano, depois de uma época fora dos holofotes do Campeonato Nacional da primeira divisão.

Consagrado bicampeão em 1985, numa altura de despique renhido entre 1º de Agosto e Petro de Luanda, pela conquista do ceptro, o conjunto agora orientado pelo técnico angolano Paulino Júnior acredita ser este o momento de afirmação.
Apesar das dificuldades financeiras que o clube atravessa, condição determinante para a instabilidade da agremiação de Benguela, a melhor sucedida nos anais da principal competição futebolística do país, os dirigentes querem devolver aos adeptos as alegrias do passado.
O 1º de Maio tem ainda o condão de ser, tal como o Sagrada Esperança (Lunda-Norte) e Recreativo do Libolo (Cuanza-Sul), das poucas equipas intrusas a levar o troféu do Girabola para fora de Luanda.
A média de idade dos jogadores ronda os 22-23 anos. O jogador mais velho tem 28. Da equipa anterior foram dispensados 16 atletas e ficaram 12. O plantel actual é formado por 26 jogadores. Durante a pré-época, o 1º de Maio perdeu três jogos frente ao Desportivo da Huíla, Recreativo da Caála e Libolo, e empatou um contra o Sagrada Esperança.
Na estreia, o Maio vai defrontar o velho rival e vizinho, Académica do Lobito, no Estádio Edelfride Palhares da Costa “Miau”. Os dois conjuntos da mesma província ambicionam começar a disputa com vitória de forma a amealhar o maior número de pontos possíveis para o garante da estabilidade das respectivas equipas.

Saídas desfalcam eternos colossos

As saídas de Tiago Azulão e Vá, avançado e médio ofensivo, ex-Petro de Luanda, e Show, médio defensivo, ex-1º de Agosto, todos para campeonatos europeus, vão certamente representar uma perda significativa em termos qualitativos do Girabola.
Azulão, um dos mais mediáticos jogadores do Campeonato Nacional, transferiu-se, depois de quatro anos ao serviço do Petro, para o Olympiakos Nicósia do Chipre. Vá regressou ao Leixões da segunda divisão portuguesa, ao passo que Show foi emprestado pelos franceses do Lille ao Belenenses SAD da Liga NOS, primeira divisão de Portugal.Os três jogadores emprestavam, e é opinião unânime dos treinadores das respectivas ex-equipas, Antonio Cosano (Petro), e Dragan Jovic (1º de Agosto), e amantes do futebol doméstico, que os referidos atletas deixam um vazio nos plantéis.
Em condição mais delicada para colmatar a saída de Tiago Azulão devem estar os petrolíferos. O brasileiro foi duas vezes o melhor marcador da prova, em 2017 e 2018, com 21 e 16 golos. Na última foi segundo com 13 e na estreia, em 2016, quinto com 9 tentos.

Tempo

Multimédia