Desporto

Campeão sem alma triunfa no Ombaka

Em ambiente de treino, pela falta de público nas bancadas, por força do castigo federativo imposto ao 1º de Maio de Benguela, o 1º de Agosto venceu ontem, por 1-0, no Estádio Nacional de Ombaka, e igualou o Petro de Luanda, com 24 pontos, no segundo lugar da tabela classificativa do Campeonato de Futebol, Girabola.

Quiçá preocupados com a gestão de esforço, a julgar pelo apertado calendário, que prevê a disputa de quatro jogos em 16 dias, os militares do Rio Seco, bicampeões nacionais, orientados por Zoran Maki, adoptaram o registo “deixa a vida me levar”, à espera de uma falha ou desatenção dos proletários, de modo a ganhar vantagem no marcador.
E foi aos 35 minutos, numa jogada algo confusa na área da equipa benguelense às ordens de Agostinho Tramagal, que Bobó, imperial nas alturas, cabeceou com precisão, sem qualquer hipótese de defesa para o guarda-redes.
Depois foi só assistir a um desfile de boas intenções do 1º de Agosto que, mesmo em situação de controlo das acções do 1º de Maio, se revelou incapaz de expressar em números no marcador a produção ofensiva. Razaq, recuperado de uma paragem de mais de 30 dias, por lesão, produziu muito pouco para fazer esquecer Jacques, a habitual aposta do ataque dos “rubros e negros”, também sem eficácia na finalização.

Geraldo apagado

Apostados em ultrapassar derrota (0-1) sofrida terça-feira, no reduto do Mbabane Swallows de eSwatini (Suazilândia), na segunda jornada do Grupo D da Liga dos Clubes Africanos, os detentores do título do Girabola fizeram algumas mexidas na equipa. Neblu deu lugar a Toni Cabaça, na baliza.
Mas Geraldo, o habitual motor do jogo ofensivo do 1º de Agosto, esteve furos abaixo dos registos normais. Poucas foram as vezes que conseguiu superar a defesa do 1º de Maio, cuja aposta consistia em evitar o avanço do adversário, quando no ataque pouco fez para evitar a derrota.
A vitória permite aos militares continuarem a fazer contas com o controlo folgado do comando da competição, depois de concluírem a série de jogos em atraso. Podem chegar aos 32 pontos, contra os 27 possíveis do Petro de Luanda, enquanto os proletários ficam à mercê das equipas que procuram abandonar a cauda da classificação.
Sexta-feira, o 1º de Agosto recebe o Sagrada Esperança, no Estádio Nacional 11 de Novembro, para a conclusão da 15ª jornada. A julgar pela força competitiva dos diamantíferos, os pupilos de Zoran Maki vão defrontar o adversário mais complicado do roteiro de acerto do calendário.

Tempo

Multimédia