Desporto

Camuloge enterrado no cemitério do Benfica

Paulo Caculo e Valódia Kambata

Os restos mortais do Vice-presidente para o Basquetebol do Interclube, Miguel António “Camuloge”, falecido a 3 do corrente, em Lunda, por doença, foram hoje a enterrar, no cemitério do Benfica. O enterro foi antecedido de velório, sem corpo presente, na sede social do clube, no Rocha Pinto.

Familiares e amigos homenagem hoje dirigente dos polícias
Fotografia: Eduardo Pedro | Edições Novembro

À cerimónia de prestação da última homenagem ao “homem forte” do basquetebol do clube da Polícia Nacional fizeram parte familiares, amigos, atletas e distintas personalidades do Desporto e do Ministério do Interior, realce para a ministra da Juventude e Desportos, Ana Paula Sacramento Neto, e Eugénio Laborinho, ministro do Interior.

“Devemos imortalizar Miguel António Camuloge, porque deixou boas obras e pode incentivar muitos desportistas”, afirmou a titular da pasta do Desporto, tendo escrito no livro de condolências que o malogrado dirigente desportivo “deixa um enorme vazio ao desporto angolano”.

Na ocasião, o Ministério do Interior, destacou na sua mensagem, os “26 anos emprestados por Camuloge ao dirigismo desportivo.

“Não há palavras para descrever a grandeza do malogrado, pois tudo parece perder sentido”, disse.

Alexandre Canelas, presidente do Interclube, e Alves Simões, ex-presidente, não conseguiram esconder o desalento.

“Estamos mais fracos, porque o Camuloge deixou-nos. Não encontramos palavras e nem adjectivos, para qualificar um homem que tudo fez, para que fossemos cada vez maiores”, sublinharam.

Os técnicos Raul Duarte e Apolinário Paquete renderam, igualmente, a sua homenagem ao vice-presidente do clube.

“Nos momentos conturbados da modalidade, era sempre ele”, disse o primeiro, para o segundo acrescentar: “Era o elemento conciliador e procurava fazer tudo aquilo que dirigia sair com perfeição”.

Tempo

Multimédia