Desporto

Circuito de Monte Carlo sem favoritos à partida

Altino Vieira Dias

O circuito monegasco é considerado um dos mais tradicionais da história da Fórmula 1,  mais difícil e de maior “glamour”. Pilotos como Grhant Hill, Alain Prost, Ayrton Senna, Michael Schumacher, Lewis Hamilton, Sebastian Vettel  e outros têm o seu nome bem patente no circuito de Monte Carlo.

Ricciardo, Lewis Hamilton e Sebastian Vettel são os principais candidatos ao triunfo
Fotografia: DR

Será que hoje Sebastian Vettel irá repetir a proeza do ano passado e bater a concorrência  e vencer a corrida? Olha que os pilotos da Mercedes parecem estar bem galvanizados e desejam dar  a terceira vitória à equipa. Mas não  nos podemos  esquecer dos Red Bull de Ricciardo e de Verstappen. Este último bateu Vettel na Espanha, devido à falha na estratégia das boxes da Ferrari.
A entrada do Safery Car permitiu ao australiano dar uma lição magna de ultrapassagem aos pilotos da Ferrari e da Mercedes, que ficaram sem capacidade de resposta perante o veloz Red Bull de Ricciardo. Apesar da fantástica corrida e da vitória de Ricciardo no GP da China,  Cristian Horner acredita que o risco da mudança  de motor Renault para Honda em 2019 pode chegar a acontecer, pois é muito frustrante ver a Red Bull  mais próximo da Ferrari e da Mercedes, em relação às outras equipas, mas mais distante em termos de performance.Por um lado, os fãs da Mercedes afirmam que esta má fase da equipa se deve aos inúmeros contratempos das corridas já realizadas: acidentes em pista, entradas de Safety Car e falha de estratégias nas boxes, entre outras. Mas, quando a Mercedes voltar à carga, a realidade da superioridade será reposta e Lewis Hamilton e Valtteri Bottas tudo irão fazer para bater a concorrência.
Por outro lado, os fãs da Ferrari afirmam que este é sem sombra de dúvidas o ano da mudança na Fórmula 1 e que será a Ferrari a levar o título, terminando assim com o domínio arrasador de 4 anos da toda poderosa Mercedes. Hoje, em Mónaco, veremos  Sebastian a procurar travar a tentativa da Mercedes de somar a terceira vitória consecutiva. 
Entretanto, alguns analistas afirmam que o campeonato deste ano poderá ser bem mais competitivo do que o do ano passado, e a prova é que desde 2014 não se assistia três  grandes prémios consecutivos a serem vencidos por uma escuderia que não fosse a Mercedes. Das cinco corridas já realizadas, a Mercedes apenas conseguiu vencer as duas últimas no Azerbaijão, em Baku, e na Espanha, em Barcelona, com o tetra-campeão Lewis Hamilton. 

Expectativas na prova
A esperança é a última a morrer. Mas este ditado parece não se aplicar muito à realidade do antigo campeão Fernando Alonso, da McLaren.  Acredita-se que a esperança está a ser dos piores males, porque está a alongar o seu sofrimento, já  que ele parece ser um cliente assíduo do jejum de  vitórias, de pódios e de poles. Pensa-se mesmo que ele nunca mais voltará a vencer um campeonato de Fórmula 1, e que irá pôr fim à sua carreira como piloto de Fórmula 1.
O  vencedor do GP do Mónaco ainda não é sabido, mas tudo indica que poderemos ter uma corrida como a do Azerbaijão, devido às características similares dos dois. Pois é um Grande Prémio propenso a inúmeras acidentes, entradas de Safety Car e chuvas.
Hoje, iremos “fixar os olhos” bem defronte às telas e esperar que o GP de Mónaco seja bem competitivo e emocionante e lutas acirradas entre as equipas e pilotos, como nos grandes prémios da China e do Azerbaijão.   

Tempo

Multimédia