Desporto

Clubes mantêm plano de preparação inicial

António de Brito

Em resposta ao Decreto Ministerial, emitido pela Federação Angolana de Futebol (FAF), a ordenar a suspensão dos jogos do Campeonato Nacional de Futebol da I Divisão, Girabola'2019/20, bem como do Zonal de Apuramento, devido à pandemia do Covid-19, a maior parte dos clubes vai manter o plano de preparação traçado no início da época.

Militares emitiram ontem um comunicado a dar conta do adiamento dos treinos
Fotografia: Paulo Mulaza | Edições Novembro

Com o objectivo de evitar possível contágio entre jogadores e não só, as equipas do Girabola acataram as directrizes da FAF e decidiram paralisar os trabalhos.
De forma individual, os atletas vão cumprir à risca um plano de preparação elaborado pelas equipas técnicas, de modo a manter os níveis competitivos já granjeados, numa altura em que faltam cinco jornadas para o término do campeonato.
No 1º de Agosto, detentor do título do Girabola e da Taça de Angola, o corpo técnico liderado por Dragan Jovic vai manter a programação inicial, porque entende não haver motivos para refazer o plano inicialmente traçado no arranque da época.
Contactado pelo Jornal de Angola, Ivo Raimundo Traça, treinador-adjunto da formação militar, disse que a paralisação do Girabola vai de certa forma quebrar o ritmo competitivo da equipa, embora enalteça a posição da Federação.
“A vida humana está acima de qualquer interesse e tem de ser preservada. Enquanto o Covid-19 não for neutralizado, não podemos facilitar. A medida da FAF é acertada”, salientou.
Traça, adjunto de Dragan Jovic, apela aos jogadores o reforço de medidas de prevenção, para evitarem-se possíveis contágios. “Estamos diante de uma doença letal e temos de nos prevenir para não sermos contaminados. Se acatarmos os conselhos, estaremos seguramente livres da doença”, alertou.

Desvaloriza liderança
Quanto à perda da liderança do campeonato para o Petro de Luanda, por força do descanso do 1º de Agosto na jornada passada, Ivo Traça desvalorizou-a: “não estamos preocupados, fizeram a sua obrigação.Temos obrigatoriamente de vencer o clássico, tal como os restantes desafios para voltarmos a revalidar o campeonato”.
À saída da 25ª jornada, os petrolíferos lideram o campeonato, com 54 pontos, seguidos pelos militares, 51.
Focado em continuar na maior festa futebolística do país, Albano César, treinador do Cuando Cubango FC, lamentou a paragem forçada do campeonato, uma vez que se vai reflectir no desempenho da equipa.
“Agora que estávamos a atingir os níveis desejados, vamos sofrer uma quebra acentuada com a pausa na competição. Portanto, não temos outro remédio.Temos de acatar as orientações das autoridades angolanas”, realça.
Prosseguindo, disse “diante deste quadro vamos manter o programa inicial. Passámos aos jogadores um plano de trabalho para ser exercitado, com a finalidade de manter a forma desportiva”.
Apesar de ocupar a 13ª posição, com 21 pontos, Albano César mantém a crença na permanência da equipa no escalão principal. À semelhança do Cuando Cubango, o Ferrovia do Huambo também suspendeu os trabalhos, para evitar contágio entre os jogadores.
Em declarações ao nosso Jornal, João Pintar da Silva referiu: “não vamos alterar a programação, porque a prova está quase no fim. Os jogadores dispensados levaram um plano de trabalho para não baixarem de rendimento”, disse.

Tempo

Multimédia