Desporto

Conjunto lobitanga pretende dar réplica e contrariar favoritismo dos tetra-campeões

Honorato Silva

A melhoria da qualidade da exibição, comparada domingo à de uma equipa de bairro, é o principal objectivo, além da vitória, do 1º de Agosto frente à Académica do Lobito, hoje às 17h00, no Estádio Nacional 11 de Novembro, na primeira “mão” dos quartos-de-final da Taça de Angola em futebol.

O desabafo de Ivo Traça, adjunto do bósnio Dragan Jovic, após o empate (0-0) di-ante do Santa Rita de Cássia, último classificado do Girabola, pode funcionar como elemento motivador do plantel, na recepção aos “estudantes” lobitangas, distinguidos pela notável campanha assinada na presente época, sob a batuta de Águas da Silva.
A saída das Afrotaças pela porta dos fundos, sem qualquer vitória na fase de grupos da Liga dos Clubes Campeões, deu lugar a um período de clara inconsistência competitiva dos militares do Rio Seco. A aura de equipa poderosa, capaz de amedrontar o adversário ainda no aquecimento, foi substituída pela imagem pálida de conjunto desprovido de dinâmica e argumentos para atingir os objectivos desportivos.
O regresso de Ary Papel anima os rubro e negros, na procura da vantagem na eliminatória, de modo a evitar transtornos na deslocação ao Lobito, com vista a decisão da presença nas meias-finais da prova, cujo troféu está em posse dos tetra-campeões do Girabola. Fora dos disponíveis continua Bobó, por lesão.
Embora não esteja nas prioridades das metas traçadas na temporada, a Taça é encarada pela Académica como oportunidade de melhorar os níveis competitivos, por ser uma janela privilegiada para o lançamento de alguns jogadores com menos tempo de utilização. Mas a equipa de Águas da Silva promete discutir o resultado.

Fortaleza maquisarde
Irrepreensível na segunda volta do campeonato, o FC Bravos do Maquis persegue a continuidade do registo vitorioso, na visita ao Wiliete de Benguela, às 15h00. Zeca Amaral apressou-se a pôr gelo na euforia dos adeptos maquisardes, quanto à re-pentina elevação da equipa à condição de candidata à conquista do título nacional. Porém, aborda com confiança a presença na segunda prova do calendário futebolístico doméstico.
A formação benguelense, orientada por Agostinho Tramagal, espera contrariar a boa fase do visitante oriundo do Luena. Suportada pelo rigor táctico do seu treinador, a equipa do clube do empreendedor Wilson Faria espera proporcionar um bom espectáculo aos adeptos, atenta à importância da capitalização do factor casa, na discussão do apuramento.
Distante dos níveis da época passada, o Desportivo da Huíla de Mário Soares recebe o esclarecido Sagrada Esperança de Rock Sapiri, às 15h00, na cidade do Lubango. Os militares da Região Sul estão atentos à coesão dos diamantíferos, responsáveis pelo afastamento do favorito Petro, superado no somatório dos empates 1-1, no Dundo, e 2-2, em Luanda.
O quadro de equilíbrio das equipas leva a prognosticar uma disputa renhida, com incerteza no resultado. Os huilanos distinguem-se pela capacidade de condicionar a organização táctica dos opositores, enquanto os lundas apresentam como traço caracterizador a rapidez nas transições, sobretudo no momento ofensivo.

Tempo

Multimédia