Desporto

Continental BAI Sicasal Petro passa a usar bicicleta Tchaco

A equipa Continental BAI Sicasal Petro e a empresa angolana LinkConnection celebraram, na última semana, um acordo para a internacionalização da Tchaco, a primeira bicicleta africana, segunda entre os países de língua portuguesa, depois de Portugal, certificada pela União Ciclista Internacional (UCI).

Petrolíferos vão mostrar qualidade da marca angolana nas competições internacionais
Fotografia: Cedida

Distinguida entre as referências da modalidade no continente, sobretudo depois da recente conquista do “Tour” do Burkina Faso, a formação petrolífera liderada por Carlos Araújo abraçou o projecto do engenheiro informático Carlos Faria, focado na elevação da marca nacional.
Além da bicicleta personalizada com as cores do clube tricolor, a LinkConnection vai disponibilizar aos ciclistas fatos para treino e competição, bem como material de recreio da marca Santic. Dário António, Bruno Araújo, Gabriel Cole e Hélder Silva, as estrelas do pelotão do clube do Eixo Viário, passam a usar, a partir do segundo semestre de 2020, novo material.
Questionado há uma semana, sobre a possibilidade de o Petro trocar a Scott pela Tchaco, Carlos Araújo avaliou em alta a assinatura de uma parceria: “Será muito bom para o clube e, consequentemente, para a marca. Se temos uma marca angolana certificada, temos de juntar o útil ao agradável. A Tchaco é uma conquista de Angola”. Amante do ciclismo, Faria assume o risco do investimento feito, num período complexo da economia angolana, confiante no retorno a médio e longo prazo. “Temos tudo para ter sucesso neste segmento de mercado. Felizmente, o nosso grande representante em África e na Europa abraçou o projecto”.
A Tchaco, que significa teu em ibinda (fiote), foi apresentada no início do mês, numa cerimónia realizada no Espaço Taliana, em Talatona. Vários ciclistas amadores, membros destacados no movimento dinamizador da modalidade no país, adquiriram as primeiras bicicletas no lançamento.
Aos poucos a Tchaco conquista espaço fora de portas. Abderrahmane Bechelaghem Mansouri, campeão argelino de estrada de 2019, pela equipa Sofac, com participações no “Tour” do Burkina Faso, Marrocos e Tropicale Amissa Bongo, escreveu há dias para a administração da LinkConnection a manifestar o interesse em utilizar a bicicleta angolana.

Melhores de África
Dário António, camisola amarela na tradicional prova do Burkina Faso, foi distinguido entre os melhores ciclistas do continente de 2019, colocado no “top 10” que tem à testa o sul-africano Daryl Impey, da Mitchelton-Scott, vencedor do prémio instituído pelos organizadores da Tropicale Amissa Bongo, no Gabão.
O campeão angolano absoluto superou Gustav Basson (África do Sul, Teg Cycling Team), Azzedine Lagab (Argélia, VIB Sports), El Mehdi Chokri (Marrocos, Dimension Data for Qhubeka), Isiaka Cisse (Costa do Marfim) e Clovis Kamzong (Camarões).
A seguir a Impey, ciclista com presença destacada na volta à França, ficaram, até à nona posição, Merhawi Kudus (Eritreia, Dimension Data), Youcef Reguigui (Argélia, Terrenganu Cycling Team), Natnael Berhane (Eritreia, Cofidis), Biniam Girmay (Eritreia), Yacob Debesay (Eritreia, Groupama-FDJ Continental), Didier Munyaneza (Rwanda), Joseph Areruya (Rwanda, Delko-Marselha) e Bachirou Nikiema (Burkina Faso).

Tempo

Multimédia