Desporto

Curso de treinadores de andebol pode ter equivalência lusófona

Teresa Luís

O curso de treinadores de andebol de nível I, que decorre no anfiteatro Paulo Bunze, sede da Federação Angolana (Faand), pode ter equivalência lusófona, revelou ontem, o técnico Vivaldo Eduardo, no final da prelecção sobre “Ética no Desporto”.

Fotografia: DR

“Queremos capacitar os nossos treinadores. Se cumprirmos todos os requisitos traçados para esta formação, o nosso curso será reconhecido no espaço lusófono. Logo, os nossos certificados serão válidos em Portugal, São Tomé e Príncipe , Moçambique e Guiné-Bissau, com excepção do Brasil por ter uma dinâmica diferente”, explicou.
A medicina desportiva e a preparação física (teoria e prática) são os temas a serem abordados hoje, segundo dia de formação. Ontem, o dia foi marcado pela presença massiva dos formandos. Luís Chaves, técnico da equipa júnior feminina do Petro de Luanda, falou sobre a didáctica do ensino do andebol.
Relativamente à ética no desporto, Vivaldo Eduardo, afirmou que a falta é gritante. “Por isso devemos sempre promover o respeito, a amizade, a disciplina, a inclusão social, o espírito de equipa e o fair-play”. Após as aulas teóricas, os técnicos serão avaliados sábado.

Tempo

Multimédia