Desporto

D’Agosto e Libolo abrem vantagem rumo à final

Armindo Pereira

As equipas do 1º de Agosto e do Sport Libolo e Benfica estão mais próximas da final, após vitória ontem, sobre o Petro de Luanda, por 88-82, e ASA, 83-75, em partidas referentes à primeira mão da 34ª edição da Taça de Angola em basquetebol sénior masculino.

Eduardo Mingas, poste dos militares do Rio Seco, foi pouco produtivo ao marcar apenas 2 pontos
Fotografia: José Cola| Edições Novembro

O destaque das meias-finais recaiu para o desafio entre militares e petrolíferos, no pavilhão Victorino Cunha, que registou casa cheia. Os aficionados da modalidade voltaram a testemunhar o clássico entre as duas maiores equipas do basquetebol angolano, em menos de uma semana. 
Pouco produtiva, face a fraca percentagem de concretização de lançamentos de campo. A partida começou com uma contrariedade para o Petro, quando o base Joaquim Pedro “Quinzinho”, contraiu uma entorse no pé esquerdo, tendo sido substituído pelo extremo Leonel Paulo.
As defesas apresentaram-se mais eficazes em relação aos ataques, numa altura em que se assistia uma partida de parada e resposta, que se traduziu em 18-17, no final do quarto inicial, a favor da equipa da casa.
Contrariamente à etapa inicial, os rubro e negro superiorizaram-se nos dois primeiros minutos, marcaram oito pontos sem sofrer nenhum, muito por conta da displicência do ataque da equipa do Eixo Viário. 
A partida registou uma interrupção de cinco minutos, devido a problemas nos holofotes do pavilhão. No reatamento, a equipa de Lazare Adingono mostrou-se mais consistente e voltou a equilibrar as contas.
O extremo base Gerson Gonçalves "Lukeny" foi o "carregador de piano" da sua equipa, com investidas bem sucedidas para a zona restritiva, terminadas em bandeja alta. Esta atitude da jovem promessa permitiu ao Petro recuperar da desvantagem de dez pontos para apenas um.
A primeira parte termi-nou com vantagem do 1º de Agosto, por 43-42, com Lu-keny a se destacar entre os demais com 19 pontos, tendo sido o único a atingir a casa dos dois dígitos. No reatamento, coube ao mesmo atleta restabelecer a igualdade, na sequência de um lançamento livre.
Do lado contrário, era mais evidente o jogo colectivo da equipa às ordens de Paulo Macedo, com a dispersão do protagonismo, num plantel composto maioritariamente por atletas mais experientes.
Fruto da maior experiência, os rubro e negros entraram para o último quarto a vencer por 67-60, souberam gerir o resultado e garantiram a vitória por 88-82, resultado que deixa ainda assim, tudo em aberto para a próxima semana. Na outra meia final, disputada no Multiusos do Kilamba, o Libolo vergou o ASA.
As partidas da segunda mão estão marcada para a próxima terça-feira. O Petro vai receber o 1º de Agosto, no Kilamba, ao passo que os aviadores visitam as “águias de Calulo”, no Dream Space.

Tempo

Multimédia