Desporto

Discussão do título arranca hoje na cidade de Abidjan

Teresa Luís

Nove equipas femininas e dez masculinas disputam, a partir de hoje até 28 do corrente, a 40ª edição da Taça dos Clubes Campeões de andebol, na cidade de Abidjan, Costa do Marfim, sob a égide da Confederação Africana da modalidade (CAHB).

1º de Agosto e Petro de Luanda são as principais candidatas à conquista do ceptro continental
Fotografia: Paulo Mulaza | Edições Novembro

Durante dez dias, os holofotes dos aficcionados estarão voltados para a capital marfinense, onde vão evoluir as melhores formações do continente. Dois pavilhões, Palácios dos Desportos e o Multiusos, acolhem a prova, num total de 61 jogos.
Repartidas em dois grupos, em cada classe, na primeira fase os oponentes jogam entre si e as quatro melhores apuram-se para os quartos-de-final. Angola faz-se representar em feminino pelos principais emblemas, 1º de Agosto (detentor do título) e Petro de Luanda(mais titulado).
No Grupo A, as petrolíferas jogam ao lado do Abo Sport (Congo Brazzaville), Bandama (Costa do Marfim), HC Heritage (Congo Democrático) e o Dynamique (Camarões). As militares disputam a fase preliminar inseridas no Grupo B, com FAP (Camarões), África Sport (Costa do Marfim) e HC Vainqueur (Congo Democrático).
A Taça dos Campeões é ainda uma oportunidade para conferir rodagem competitiva às atletas, que integram as distintas selecções no Campeonato Africano das Nações, agendado para Dezembro, no Congo Brazzaville.
Em masculinos, Al Ahly (Egipto), Phoenix (Gabão), FAP (Camarões), Red Star (Costa do Marfim) e USFA (Burundi) completam o Grupo A, e o Zamalek (Egipto), Raja de Casablanca (Marrocos), JSK (Congo Democrático), Petro Sport (Congo Brazzaville) e GSP (Argélia) constituem o B.
As equipas antevêem na competição uma possibilidade de projectar o Mundial da Dinamarca e Alemanha, marcado para Janeiro. Pelo quinto ano consecutivo, as formações nacionais falham a participação.
A arbitragem angolana também está representada na competição, através da dupla continental Tomás Tchitangue (Benguela)/Escurinho António (Luanda). No total 18 juízes foram  convocados pela CAHB, em representação do Gabão, Marrocos, Tunísia, Senegal, Benin, Congo Brazzaville, Togo e Costa do Marfim.
Os juízes seguiram ontem para o palco da prova, onde participam num seminário de actualização de conhecimentos. Antes da cerimónia de abertura, marcada para as16h00, jogam: Abo Sport-HC Heritage (12h00), Bandama-Dynamique (11h00), em femininos, e JSK-GSP (9h00), Raja-Petro Sport (13h00), em masculinos.
A última partida do dia opõe o RED STAR ao Usfa . As equipas nacionais entram em cena amanhã, com o Petro a defrontar o HC Heritage, às 12h00, e à mesma hora o 1º de Agosto joga diante do FAP dos Camarões.
Edith Bunga (pivô), Manuela Paulino (meia-distância), Delfina Santos     (ponta) e Aminata Kanka   (guarda-redes) são os reforços das tricolores, na busca do 20º ceptro para a sua galeria de troféus.
Na presente época, a turma do Eixo Viário às ordens de Vivaldo Eduardo conquistou a Supertaça,  Taça dos Vencedores das Taças e o Campeonato Nacional. Por esta razão, o grupo está determinado em ganhar mais um troféu.
O regresso da meia-distância Natália Bernardo é o abono de família no seio do conjunto do Rio Seco, que persegue o quinto troféu consecutivo. As agostinas, comandadas por Morten Soubak, este ano venceram apenas o Campeonato Provincial.
Apesar de não contarem com os préstimos da influente Isabel Guialo, a jogar na Hungria, e de Dalva Perez, ausente por lesão, conquistar a Taça dos Clubes Campeões é um modo de reporem a “legalidade”.
Caso cheguem à fase derradeira do torneio, as eternas rivais podem discutir a quinta final da presente temporada.

Tempo

Multimédia