Desporto

Equipa do Petro surpreende Libolo

Armindo Pereira

O Petro de Luanda começou da melhor maneira, ontem, a disputa dos playoffs das  meias-finais do Campeonato Nacional sénior masculino de basquetebol, a melhor de cinco, ao derrotar o Sport Libolo e Benfica, por 87-70, no Multiusos do Kilamba.

Petrolíferos surpreendem calulenses no primeiro desafio
Fotografia: JAi/magens

Muito certeira nos lançamentos de longa distância, a equipa orientada por Lazare Adingono, desde os primeiros instantes deixou clara a intenção de começar a eliminatória com triunfo caseiro.
Após seis minutos e 50 segundos decorridos, os tricolores já  venciam por 15-6, ante uma equipa encarnada algo apática e descaracterizada, do ponto de vista defensivo, sem soluções para travar a velocidade imposta pelos jogadores contrários, conduzidos pelo base Childe Dundão e o extremo Leonel Paulo.
A falta de atitude levou o treinador Raul Duarte a solicitar um desconto de tempo, para  chamar os seus pupilos a corrigirem o que na sua óptica não estava a correr de feição.
No reatamento, os tricolores dilataram a vantagem com grande contribuição de Gerson Lukeny, autor de cinco pontos em dois ataques consecutivos, numa altura em que as “águias” de Calulo tinham na quadra Francisco Sousa, Olímpio Cipriano, Manda João, Pedro Bastos e Hermenegildo Bunga.
À beira do primeiro intervalo, os pupilos de Raul Duarte converteram nove pontos, fruto de três lançamentos de longa distância, do base Francisco Sousa (dois) e do poste Hermenegildo Bunga.
Os petrolíferos lideravam o resultado (23-19), diferença que abria boas perspectivas para os períodos seguintes, mas o cenário do quarto inicial voltou a repetir-se. A turma do Eixo Viário dominava e os encarnados procuravam reduzir a diferença pontual.
 A defesa à zona 2-3, com mutações para homem a homem, complicava as acções ofensivas dos calulenses. A falta de atitude defensiva traduziu-se em cinco minutos sem marcar qualquer ponto.
 No intervalo maior, os dois conjuntos foram para o balneário com os tricolores em vantagem (49-35). No regresso ao rectângulo de jogo, os pupilos de Raul Duarte  apresentaram outra postura, que resultou na recuperação da desvantagem abaixo dos dois dígitos.
Esta recuperação foi sol de pouca dura, pois os pupilos de Raul Duarte não mostraram com argumentos suficientes para travar a motivação do Petro,  que voltou a triunfar (67-52), no terceiro quarto.
No final, o Libolo “atirou a toalha ao tapete” e conformou-se com a derrota, por 87-70. Olímpio Cipriano, um dos esteios da turma de Calulo, teve uma noite para esquecer e terminou a partida sem qualquer ponto.                                                                                                                   

Tempo

Multimédia