Desporto

Estados Unidos falham registo para a história

Anaximandro Magalhães | Beijing

Ao falharem a conquista do sexto Mundial, título que lhes permitiria isolar-se na tabela do palmarés, os Estados Unidos perderam ainda a possibilidade de tornar-se, na história da FIBA, o primeiro e único país a erguer três vezes consecutivas a taça.

Decepção norte-americana
Fotografia: DR

Depois do bicampeonato, em 2010, em Istambul, Turquia, e 2014, em Madrid, Espanha, os norte-americanos, às ordens de Gregg Popovich, tinham como objectivo desfazer a partilha com a Jugoslávia, outra selecção com cinco campeonatos no palmarés. Com o percalço, Estados Unidos, Jugoslávia e Brasil, este último o primeiro a estrear-se com dois ceptros, ?são os únicos países com esta proeza: duas medalhas de ouro sucessivas.? Em 16 edições, os jugoslavos, medalha de ouro em casa, em 1970, na cidade de Ljubljana, ganharam a segunda taça do historial em 1978, em Manila (Filipinas), a terceira em 1990, em Buenos Aires (Argentina), a quarta em 1998, em Atenas (Grécia), e a última em 2002, em Indianápolis (Estados Unidos).? ?Os Estados Unidos conquistaram os títulos em 1954, no Rio de Janeiro (Brasil), em 1986, em Madrid (Espanha), em 1994, em Toronto (Canadá), e em 2010, em Istambul (Turquia).? Na restrita lista de campeões, a Ex-União Soviética, hoje Rússia, é terceira com três mundiais no currículo, 1967, em Montevideu (Uruguai), 1974, em San Juan (Porto Rico), e 1982, em Cali (Colômbia).? O Brasil, com dois títulos vem a seguir. Segundos campeões da história dos mundiais, os brasileiros suplantaram a concorrência em 1959, em Santiago (Chile), e em 1963, no Rio de Janeiro. A Espanha, com o triunfo de ontem, juntou-se ao Brasil, com dois (2006, em Jaitama, no Japão, e 2019, Beijing, China). Com um troféu estão Argentina, em 1950. ?

Tempo

Multimédia