Desporto

FAF reconhece dívida à Selecção Sub-17

António Cristóvão

O pagamento da dívida a jogadores e equipa técnica da Selecção Nacional Sub-17 de futebol está dependente “da alocação do dinheiro à Federação Angolana de Futebol (FAF), pelo Ministério das Finanças e a Confederação Africana de Futebol (CAF).”

Jogadores e corpo técnico aguardam o dinheiro desde finais do Novembro do ano passado
Fotografia: José Cola| Edições Novembro

O facto foi revelado, ontem, pelo director do gabinete do presidente da FAF, Paulo Neto, que reconhece a existência do pendente.
“A expectativa da FAF passa por liquidar as dívidas, após a recepção dos valores da CAF, pelo segundo lugar no Campeonato Africano das Nações (CAN)”, esclareceu.

Atletas, treinadores e elementos de apoio ao corpo técnico da Selecção Sub-17 reclamam o pagamento dos prémios de qualificação e passagem à fase no Campeonato do Mundo, disputado, no ano passado, no Brasil.
A FAF tem de pagar, também, ajudas de custo e prémios de segundo classificado do CAN, disputado, de 14 a 28 de Abril de 2019,em Dar-es-Sallam, na Tanzânia.

No Campeonato do Mundo, jogado de 26 de Outubro a 17 de Novembro, o elenco de Artur de Almeida e Silva pagou aos atletas, apenas no local da prova, 200 euros (equivalente a 130.602, 41 kwanzas) e mais 300 reais (31.875, 81 AKZ), de acordo com os atletas.
Na competição, Angola foi afastada nos oitavos de final pela Coreia do Sul, por 0-1, no Estádio Olímpico, em Goiânia. Na fase preliminar, os Sub-17 ocuparam a segunda posição do Grupo A, com seis pontos atrás do Brasil, com nove. Nova Zelândia, com três, e Canadá sem pontuar, ficaram no terceiro e quarto lugares.

As selecções dos Camarões, Nigéria e Senegal foram os outros representantes do continente africano no Mundial.
No CAN, disputado na cidade de Dar-es-Salaam, Angola foi vice-campeã africana, sendo a primeira vez a conquistar uma medalha na competição. A Selecção Nacional e a similar da Nigéria defrontaram-se no Grupo A da primeira fase, com triunfo do adversário, por 0-1. Nos outros desafios, os Sub-17 venceram a Tanzânia, por 4-2 e o Uganda (1-0).

Os angolanos classificaram-se na segunda posição, após desqualificação da Guiné-Conacri pela CAF, por má inscrição de dois atletas, nomeadamente Aboubacar Conte e Ahmed Keita. Os futebolistas foram suspensos por dois anos de toda actividade desportiva, por adulteração de idade, e a Guiné multada em 100 mil dólares e devolução das medalhas de prata. />Na sequência, os guineenses foram impossibilitados também de disputar o Mundial no Brasil, e impedidos de jogar nas próximas duas edições do CAN.
Os Sub-17 falharam a oportunidade de chegar à final após derrota frente aos Camarões, por 3-4, na decisão de grandes penalidades, após empate sem golos no tempo regulamentar.

“Nelinho” Costa chega a acordo com a federação

O antigo treinador da Selecção Nacional Sub-17, Manuel Costa “Nelinho”, garantiu, ontem, ao Jornal de Angola, que chegou a acordo com a FAF, para ser ressarcido de oito dos 13 meses de salários por receber.

“Vão pagar oito meses, incluindo quatro subsídios de férias e dois de Natal. Sempre ganhamos na totalidade. Está tudo nas finanças da Federação. Disseram-me para aguardar até à próxima quinta-feira. Estão a evocar a crise devido à pandemia da Covid-19”, disse o técnico.
“Nelinho” Costa orientou também a Selecção Nacional Sub-20, após a substituição de Romeu Filemon do comando técnico, e viu terminado o vínculo contratual em 2017, na gestão de Artur Almeida e Silva.

Além dos Sub-17 e 20, o técnico passou também pelos Sub-23, como assistente de Zeca Amaral (actual presidente da Associação dos Treinadores de Futebol de Angola e treinador do F Bravos do Maquis).
Iniciou a carreira nos Flaminguinhos, em 2001, no Distrito Urbano do Rangel, de onde saiu para integrar o Gabinete Técnico das Selecções Nacionais de 2008 a 2016.

Em 2016, Nelinho deslocou-se em comissão de serviço à cidade de Malanje, sua terra natal, para orientar a equipa Malanje Sport Club no Torneio Zonal de apuramento ao Girabola, vulgo Segundona. Depois, transferiu-se para o Benfica de Luanda (2016/2018). O treinador pertence aos quadros do 1º de Agosto há quase ano e meio, nos escalões de formação do Rio Seco.
“Nelinho”, que concluiu o Instituto Normal de Educação Física, é formado em Psicologia, pelo Instituto Superior de Ciências da Educação (ISCED), em Luanda.


Tempo

Multimédia