Desporto

Filiados pedem recandidatura de Leonel da Rocha

António Cristóvão

O presidente do Comité Paralímpico Angolano (CPA), Leonel da Rocha Pinto, vai recandidatar-se à presidência da instituição, para o ciclo olímpico 2020/24 devido à solicitação da maioria dos filiados e de membros do actual elenco.

Actual presidente do Comité Paralímpico Angolano (CPA), Leonel da Rocha Pinto
Fotografia: DR

A informação foi avançada, hoje, ao Jornal de Angola, pelo secretário-geral do CPA, António da Luz, que anunciou a data da Assembleia-Geral ordinária, a realizar-se no dia 12 de Setembro. No conclave será definida a data do sufrágio e a indicação da Comissão Eleitoral. “A saída do Leonel da Rocha Pinto era quase uma certeza. Mas, recuamos porque temos de deixar um legado e uma coisa feita. Só a história escrita não é suficiente.

Então vamos lutar para deixar uma coisa útil para os associados”, justificou António da Luz. O elenco de Leonel da Rocha Pinto aguarda há uma década, das autoridades, a cedência de um terreno, para a construção de um Centro de Alto Rendimento Desportivo, em Luanda. O actual presidente do CPA, há sensivelmente 26 anos na liderança, já manifestou publicamente o interesse de deixar o cargo, devido à falta da cedência do terreno.

“Ele tem uma vida muito ocupada, mas estamos a lutar internamente para que continue neste mandato e consiga a construção de uma sede definitiva”, conta António da Luz. O secretário-geral anunciou também que a instituição vai criar, depois da Assembleia-Geral, as Federações de basquetebol em cadeiras de rodas e de futebol para amputados. Mas, antes, o assunto vai ser levado à Assembleia-Geral.

António da Luz revelou que há cinco pessoas a trabalhar nas propostas das escrituras dos estatutos e regulamentos. “No início deste ano, começamos a trabalhar neste sentido. É uma preocupação que vamos levar a debate na Assembleia-Geral. Queremos fazer uma análise desta possibilidade ser concretizada”, disse.

Depois da criação das Federações Nacionais, elas vão ser suportadas financeiramente pelo CPA, na organização de provas. “O basquetebol e o futebol já têm neste momento Federações Internacionais. Por regra, elas não têm como interlocutor o CPA.

Tem de ser a Federação Nacional a filiar-se directamente, para beneficiar de apoios, acções de formação e participar nas competições internacionais, que venham a ser organizadas por estas entidades", esclarece o dirigente.

Tempo

Multimédia